No último domingo aconteceu a Corrida Mulher Maravilha. A região central de São Paulo foi inundada por um mar de mulheres vestidas de vermelho, azul e amarelo. A convite da Risquè fomos participar  também e hoje contamos como foi.

Largada Corrida Mulher Maravilha

Largada (Foto: Sérgio Shibuya/MBraga Comunicação)

As inscrições acabaram super rápido, a mulherada se empolga bastante e as distâncias da prova (4 e 8k) são super acessíveis para quem está começando e quer se arriscar no mundo das corridas.

KIT

O kit premium da corrida era composto por camiseta, saia, pingente, copo, esmalte e viseira, tudo muito legal e que deixou todo mundo empolgado com a corrida. A Ju postou a foto no instagram na quarta-feira antes da prova e a mulherada foi a loucura. rs

Kit da corrida

KIT Mulher Maravilha

PROVA

Essa era a prova para encontrar as amigas e curtir, mas para mim ela começou complicada. Na madrugada de sábado para domingo, a Melissa foi dormir já eram 5:00 da manhã e eu estava bem cansada e pensei: vou só tirar um cochilo e já levanto.

Quando eu vi já eram 6:30 da manhã e a largada iria ser às 7h. Confesso que pensei muito em desistir e deixar pra lá, mas sabe quando fica com uma dorzinha na consciência? Pois é.

E para ajudar um pouco na decisão, o local da corrida não foi distante de onde eu moro e somei a isso que a largada demoraria um pouco, por causa da quantidade de pessoas. E decidi encarar, se não conseguisse paciência.

Apesar dos contratempos, consegui chegar, a largada atrasou e mais a quantidade de pessoas, deu tempo de largar numa boa e correr!

Os três primeiros quilômetros foram bem difíceis, eu não consegui correr muito, tinha muita gente e as ruas do Centro são estreitas, então, eu ultrapassava da forma que dava as pessoas. Eu já sabia que essa era uma prova para curtir e festejar, então fui fazendo o que dava até chegar perto do 4k.

A partir daí a corrida fluiu bem melhor e consegui desenvolver um pouco de velocidade e apesar de estar bem cansada, eu fui até o final e fiquei feliz com o resultado, pois a dedicação aos treinos está rendendo frutos. 🙂

Foto com a medalha

Cansada, feliz e com a medalha linda!

Durante o percurso tinha alguns portais com palavras de motivação como coragem, poder e maravilha. A hidratação estava boa.

No kit pós-prova tinha Natural Whey da Verde Campo, frutas, torrone e pão de mel da Montevergine. Para completar a experiência, na arena tinha várias atrações para a mulherada, vários locais para tirar fotos, música, espaço da Moleca, entre outras coisas.

Foi uma corrida bem organizada e a única coisa chata foi que tava impossível encontrar as pessoas hahaha… Eu e a Ju não conseguimos nos encontrar. Gostei bastante de voltar a correr no Centro, nem lembro a última corrida que eu participei lá.

Obrigada à Risquè pelo convite! Adoramos. 😉

Parte da turma super animada do Pelotão Eu Atleta! (Foto: Marcos Riboli/Divulgação)

No último domingo, 19 de fevereiro, abri oficialmente meu calendário pessoal de corridas de 2017! Hahahaha… Ai, gente, nada como uma corridinha para dar uma animada nos nossos treinos, né? Aquele clima de prova funciona como um “boost” imediato de energia para mim. 🙂

O convite veio do Eu Atleta, que levou uma galera incrível para correr a Meia Maratona Internacional de São Paulo. A prova tem percurso de 5k, além dos 21k — fiquei com o mais curto. Corri a prova toda ao lado do meu marido, que também está voltando para os treinos de corrida depois das nossas merecidas férias! 😉 Hahahahhaa…

Nossa clássica fotinho pós-prova!

Essa é uma prova bem tradicional de São Paulo, com largada e chegada no Estádio do Pacaembu, mas eu nunca tinha participado antes. Sabia, contudo, que seria cheia! Então já fui me preparando para encarar aqueles probleminhas que costumamos encontrar em provas curtas com muita gente, em especial, a dificuldade de pegar o ritmo que pretendemos desde o início devido à multidão e os temidos “paredões” de caminhantes.

Porém, como a prova estava dividida em pelotões por pace e a organização foi bastante rígida nesse ponto, fazendo um controle intenso para garantir que apenas os corredores com a cor indicada no número de peito entrassem nos acessos à largada, consegui pegar a velocidade que planejei já nos primeiros metros e segui assim até o final. Eu poderia ter largado na frente, mas preferi sair mais atrás, com o pelotão do meu pace mesmo, justamente porque minha experiência anterior largando com um pelotão mais veloz não foi muito legalCom certeza, a melhor escolha para mim!

Outro ponto que ajudou nesse aspecto, acredito, foi o fato de a grande maioria dos participantes ter optado pelo percurso de 21k, ou seja, eram corredores mais experientes e que estavam seguindo uma estratégia para a prova.

Na chegada, recebemos água, frutas, biscoitos, isotônico, água de coco e até whey! Pós-treino completíssimo, né? Tinha para todos os gostos. Fiquei um tempinho na tenda do Eu Atleta conversando com o pessoal, tirando muuuuitas fotos e ainda ganhei uma massagem esportiva para relaxar as pernas. Uma delícia! Comecei 2017 muito bem! 😉

Sobre a questão dos pipocas: esse é um tema bastante controverso, né? Entre nós três, temos conversado bastante sobre todos os aspectos dessa polêmica, prós e contras das campanhas que vêm sendo feitas, e optamos por falar sobre esse assunto com mais calma depois, em um post separado.

Você também participou dessa prova? O que achou? Conte nos comentários!

12