Há algum tempo, falei no Instagram do blog (segue lá @corremulherada) que sou intolerante ao glúten diagnosticada. Pois é, a notícia que muita gente recebe com desespero (soube de gente que chorou quando soube), pra mim foi um alívio. Não ter diagnóstico durante tanto tempo, me fez acreditar que alguns sintomas vinham da minha cabeça. Sem melodrama, mas ter um nome para aqueles sintomas todos (alguns que aparentemente não tem “relação” entre si) foi como o fim de uma busca de mais de 30 anos!
Aí depois disso só tive que entrar para a ‘ceita’, aceita que dói menos. kkkkkkkkkkkkkk
Brincadeiras à parte, a “coisa” é mais séria do que parece e vou contar o porquê. 😉

Desde adolescente sofria com os sintomas, sendo os mas evidentes: cólicas, dor de barriga, coceira (principalmente no rosto e braço), inchaçodor de cabeça “normal” e enxaqueca. Para você ter uma idéia, cheguei a recusar convites para sair com amigos/parentes/whatever por causa disso, e quando saía, precisava ver se tinha banheiro decente no lugar! rs
Na época de faculdade, algumas vezes precisei ficar no campus em tempo integral. Perco as contas de quantas vezes fiquei sem comer pra não precisar parar tudo para usar o banheiro de lá. Tinha nojinho! E quando ia para a casa dazamigas? Veshhhhh

Vivia cansada, com sono (dormia só de me encostar nos cantos), sem ânimo para nada, mas aí atribuía à uma anemia ou outra que acusava nos exames (na maioria das vezes). Quando esporadicamente não dava nada, achava que era só preguiça crônica (ainda tenho, mas beeeeeem menos kkkkk). Confesso que pra mim o pior sintoma a dor de cabeça constante e os vários episódios de enxaqueca (quem tem sabe o inferno que é). Comprava caixas de Anador, Dorflex, Novalgina e afins. Parece até testemunho de igreja, mas é verdade!

E a intolerância?

Descobri “por acidente” quando mudei de gastro. Ao contar os sintomas, jurava que se tratava “só” de hipotireoidismo (achava que precisava trocar a dose do Synthroid).
A minha médica não fez alarde, só mandou eu fazer 1655244 exames, entre eles, os tais para saber se tenho hipersensibilidade. Confirmada, ainda precisava fazer uma biópsia do intestino para ser carimbada como portadora de Doença Celíaca. Sinceramente? Optei por não fazer essa biópsia! Já tinha que excluir o glúten da minha vida de qualquer jeito e me dei por satisfeita com os 99% de chances de ser Celíaca. Ter o positivo só ia mudar o status ‘Intolerante’ para ‘Celíaca’ e pra mim isso não ia fazer diferença. Já tava ferrada mesmo! 

Depois do diagnóstico, tive que mudar drasticamente minha alimentação. Se foi difícil? DEMAIS! Tinha toda uma rotina e (confesso) demorei muuuuuuuito pra cortar 100% o glúten da minha dieta. Sim, no início eu arriscava. Tipo fumante que fuma sabendo que aquilo vai lhe fazer muito mal.
Todos os dias comia pão integral, todas as quintas-feiras pedia pizza (a pizzaria mais próxima fica a UMA CASA da minha) e aos sábados comia o bolo especial de milho. Ah, além da empada-baixaria de chocolate que postei várias vezes no meu  Insta. Mas paguei o preço por arriscar mesmo sabendo que ia passar mal. O dia seguinte do meu ‘olho grande’ passou de ruim para TERRÍVEL. Os sintomas vinham cada vez mais agressivos e piores. A última peripécia me levou ao hospital e depois disso tomei vergonha na cara.

Hoje procuro manter uma alimentação limpa e com menos produtos industrializados. Em casa até que mantenho bem, mas quando saio de casa ou viajo, nem sempre consigo carregar lanches na bolsa. Até porque dependendo do lugar que vou (principalmente viagem longa), estraga logo.
E como achar algum lanchinho no meio da rua é um parto (lanchonetes e padarias de longe cheiram a glúten) virei testeira de produtos. Sempre bom ter opções fáceis de colocar na bolsa, né?

POST-Gluten-Free

O macete é sempre ler o RÓTULO (os primeiros ingredientes são os mais abundantes – a Ju Ferrer já ensinou por aqui) e optar por produtos que tenha a MENOR quantidade de ingredientes e que você ENTENDA o que está escrito. Fique atenta, não é porque está escrito na embalagem que não tem glúten e/ou lactose que é automaticamente inofensivo.
Não estou dizendo que todo industrializado é do mal, mas existem os que são Ok para consumo, os mais ou menos, os menos piores e os piores do que os normais. Nada de pirar o cabeção, hein!?

Quando recebemos o Glúten Free Box no nosso Q.G aka casa da Carô, a caixa já teve direcionamento certo. hahahah
Pra quem não conhece, o Glúten Free Box é um pacote de assinatura onde todo mês você recebe uma caixa cheia de produtos sem glúten.
Os preços variam de acordo com o plano (mensal ou trimestral), quantidade de produtos (9 a 11 – 14 a 16) e mais algumas opções (com/sem bebida alcoólica – com/sem lactose). O pagamento é feito via boleto bancário ou cartão de crédito.
Vale a pena pela SE: você gosta de conhecer novos produtos e prefere a praticidade de recebê-los na sua casa. Às vezes a gente está numa dessas lojas de ‘apelo saudável’ e vê um item com preço salgadinho e sente receio de comprar no escuro. Eu sou mão de vaca e mooooorro de dó de comprar algo não muito barato. Vai que o produto é ruim? kkkkkk

Vamos à caixa?

Box-Gluten-Free1

Já comi a maioria dos produtos e tirei fotos de alguns rótulos para compartilhar. Uma coisa que gostei muito foi a tabela ilustrativa e de fácil leitura que lista os ingredientes mais alergênicos de cada produto. Eu, por exemplo, além do glúten, tenho evitado lactose. O marido é alérgico e tenho certa suspeita. :’( #zicada

Tirei fotos das embalagens e tabela nutricional de alguns produtos:

Bos-Gluten-Free2

Biscoito de Polvilho – Crek Crek | Salgadinho Cebola e Salsa – Belive

Achei gostosinhos e não deixam nada a dever para os salgadinhos comuns.

Box-Gluten-Free3

Macarrão Conchiglie – Casarão | Massa para Pizza – Grano Brasilis

Gostei bastante do macarrão, já tinha feito outras substituições por massa com outras farinhas e a de arroz foi a que mais gostei. A massa para pizza ainda não testei, deixei para uma futura receita aqui no blog. 😉

Box-Gluten-Free4

Maracujá desidratado Frootiva | Biscoito, sabor banana e canela Aruba | Cookie Integral, sabor Laranja – Nutri Cookie | Pão Rústico – Schar

Provei tudo e não gostei muito. Pra falar a verdade, não curto bolacha e não sou parâmetro para analisar. Só pra dar uma idéia, precisei de outras opiniões. Minha mãe adorou os biscoitos e o marido comeu o maracujá numa tacada só. kkkkkkkkk Mãããssss digo que os ingredientes não são os melhores. 👀
O pão é rústico, meio seco, um tiquiiiinho amargo e mais durinho. Minha mãe e eu gostamos, mas não compraria se o visse na gôndola.

Blox-gluten-free-flormel

Pé de Moleque – Flormel

Esses docinhos da Flormel são uma tentação de gostosos (a Mari falou deles aqui)! Os considero mais para uma emergência, em tempos de TPM por exemplo. Eles tem sucralose e maltodextrina, o que não sou fã. Mas não sou a melhor pessoa para falar sobre isso. 🙂

Bos-Gluten-Free5

Xilitoca – Pão de Tapioca |Cacau Fit – La Pianezza

Adoraaaamos (marido e eu) a Xilitoca (apesar dessa gorduda vegetal aí do meio) e garrei paixão pelo Cacau Fit. Os dois juntos foi um casamento perfeito! hahahahah

Box-Gluten-Free6

Claro que não é uma Nutella da vida, mas achei o gosto ‘tudibão’ e os ingredientes lindos – biomassa de banana verde, cacau em pó, manteiga de cacau, açúcar demerara e pasta de avelã. Já até comprei outro pote! :B

Para mais informações: site oficial

post_presente

Hoje voltei para falar de mais dois produtos que recebemos da Fila, continuando o assunto do post anterior. Camiseta e corsário nunca são demais, né? Vem cá ver o que achamos dessas da marca:

Camiseta Fila Bio

batalh-review-fila-camiseta2

Descritivo: Camiseta em tecido leve e macio. Modelagem com comprimento longo, ideal para usar com legging. Gola V e tape do próprio tecido. Costura lateral deslocada para as costas. Logo FILA e grafismo running em material refletivo.

Batalha entre: Longa X curta distância

O que quem correu longas distâncias achou: Adorei o modelo, dá uma valorizada no corpo e não marca as gordurinhas, rs. Além disso é básica e combina com tudo! <3
Mari usa blusa comum número M e testou a camiseta no tamanho M. Sua corrida mais longa usando a camiseta foi de 15k.

O que quem correu curtas distâncias achou: Básica e bem gostosa de usar. A única coisa é que a minha é branca e achei um pouco transparente.
Aline usa blusa comum número M e testou a camiseta no tamanho M. Sua corrida mais longa usando a camiseta foi de 5k.

Valor: Não achamos em nenhuma loja virtual. 🙁

Calça Corsário Fila Ripple

Descritivo: Feita em tecido respirável e elástico, que valoriza as curvas femininas.

calca-fila-ripple

Batalha entre: Corrida X musculação

O que a corredora achou: Achei bem bonita e gostei da estampa! O caimento também ficou bem legal.
Aline usa calça número 42  e testou a calça no tamanho M.

O que a que faz musculação achou: O tecido é bem macio e leve, tem o toque gostoso. Porém achei que ficou feia em mim, marca toda a minha celulite.
Ana Carô usa calça número 42 e testou a calça no tamanho G.

Valor: R$ 79,90 na Centauro 

Bermuda Fila High Tech New Emana

batalha-review-bermuda

Batalha entre: Longa X curta distância

O que quem correu longas distâncias achou: Uma das minhas peças favoritas, o shorts é lindo, bem básico, combina com tudo. O cumprimento é bom, nem comprido, nem curto. O tecido é confortável, ótimo para correr. O shorts não sobe e ainda tem um bolsinho super útil para colocar o gel. <3
Mari usa bermuda comum número M e testou a bermuda no tamanho M. Sua corrida mais longa usando a camiseta foi de 15k.

O que quem correu curtas distâncias achou: Adoro roupas básicas para correr, então a cor preta me ganha sempre! O short não sobe e fica ótimo no corpo.
Aline usa bermuda comum número M e testou a bermuda no tamanho M. Sua corrida mais longa usando a camiseta foi de 5k.

Valor: R$ 84,90 na Netshoes