Em 2016, a Adidas lançou o Pure Boost X, um tênis pensado especialmente para as mulheres. Foi uma baita quebra de paradigma, aliás, já que ainda hoje a maioria dos produtos disponíveis no mercado na numeração feminina são adaptações das versões masculinas.

O grande diferencial do Pure Boost X era o seu arco flutuante – uma parte do cabedal fica destacada da sola, envolvendo todo o pé na sua região central. Então, fica um vão ali entre o pé e o solado. Era muito diferente!

Pois bem, em março desse ano, a Adidas trouxe essa tecnologia do cabedal do Pure Boost X para mais um dos modelos mais queridinhos da sua linha de corrida –  o Ultra Boost – lançado o Ultra Boost X.

Seria a junção com o melhor desses dois tênis pensada especialmente para a mulherada? Claro que eu fiquei doidinha para testar e descobrir por mim mesma! E agora, depois de ter rodado alguns bons quilômetros com ele, inclusive em algumas provas, venho contar minhas impressões para vocês! 😉

Beleza e Design

Eu sempre gostei do design do Ultra Boost e a versão X do modelo não me decepcionou. Não acho que é um tênis que transita bem no casual – pra mim, ele tem muita cara de corrida e performance – mas uma coisa é certa: ele sempre chama a atenção e desperta a curiosidade das pessoas!

No Brasil, são cinco cores disponíveis no momento: além do salmão com preto, que foi a primeira versão lançada, temos outras opções mais neutras, em preto, branco e cinza, e uma mais vibrante, em coral.

Além disso, o Ultra Boost X já ganhou algumas edições limitadas, produzidas pela Adidas com seus parceiros principais. A estilista Stella McCartney redesenhou o suporte do cadarço em uma versão mais fashionista do modelo, toda off white com pequenos pontos de cor no solado. Chiquérrima, porém uns bons reais mais cara que a versão “normal” do tênis!

Lá fora, outra edição especial que se destaca é a que foi produzida com a Parley Ocean Plastic. O modelo é fabricado com resíduos plásticos retirados do oceano e vem em lindos tons de azul inspirados nas águas mais profundas. Malha, entressola e contraforte são feitos de material PET reciclado, reutilizando, em média, onze garrafas de plástico em cada par. Legal, né?

Conforto e Amortecimento

Utilizando o sistema ARAMIS, tecnologia que captura os movimentos permitindo uma análise detalhada do corpo, o time de inovação da Adidas conseguiu identificar o ponto exato em que o pé das mulheres precisa de mais suporte e onde precisa de espaço para que possa se expandir naturalmente durante a corrida. O arco flutuante do Ultra Boost X foi desenhado para refletir a silhueta natural do pé feminino, adaptando-se ao formato do médio-pé enquanto corremos.

Outra diferença do Ultra Boost X para o Ultra Boost tradicional é o seu contraforte mais estreito, que se adapta melhor ao calcanhar feminino. Logo que você veste o tênis, já percebe como esse suporte é diferente de qualquer outro modelo. É como se você vestisse uma meia mesmo, e pode até parecer um pouco estranho no começo (justo demais, talvez). Eu usei com meia apenas na primeira vez (como na foto ali em cima); depois sempre corri sem, pois acho que fica mais confortável.

Todo o cabedal é feito em Primeknit, um tipo de malha elástica de crochê, o que aumenta a respirabilidade do tênis. A entresssola é toda em tecnologia Boost, o que traz não apenas amortecimento, mas também maior retorno da energia. A princípio, eu achei que tinha amortecimento demais (ele me pareceu um pouco mais alto que a primeira versão do Ultra Boost), mas depois de alguns treinos me adaptei bem. E quanto maior a velocidade que corremos, mais sentimos o efeito do Boost, então é um tênis que de certa forma te incentiva a ir mais rápido, porque ele fica mais “gostoso” quando estamos num ritmo acelerado, hahahaha… 😉

Na minha resenha da primeira versão do Ultra Boost, eu comento que a sola desliza um pouco. Isso foi corrigido já na versão seguinte do Ultra Boost, portanto não é uma preocupação no Ultra Boost X, que uma tração excelente para corridas em ambientes urbanos.

Peso, Pisada e Drop

O Ultra Boost X é indicado para pisada neutra. O peso no tamanho 36 é de 234 gramas (o peso varia conforme a numeração). O drop dele é altinho: 10 mm.

Tecnologias

  • Cabedal de Primeknit – envolve o pé como uma meia para proporcionar maior conforto.
  • Sistema de Contraforte – estrutura diferenciada no calcanhar, que permite o movimento natural do tendão de Aquiles.
  • Torsion System – suporta o movimento natural do pé do calcanhar ao dedo do pé.
  • Sola Continental Rubber 4-way – desenhada para o andar feminino, fornece uma boa tração para as corridas urbanas em qualquer condição.
  • BOOST – conforto ultrarresponsivo e amortecimento que armazena e devolve energia cada vez que o pé toca o chão.

Custo x Benefício

O preço sugerido no lançamento foi de R$ 899,99 (ouch!), mas hoje já é possível encontrar nas lojas virtuais por volta dos R$ 700 reais. É um tênis para quem quer muito um tênis de corrida de alta performance e gosta de amortecimento, em especial, da tecnologia Boost. Se você já estava pensando em comprar o Ultra Boost, acho que vale sim trocar pela versão X, pensada para as mulheres. Quanto à versatilidade do tênis, achei bem tranquilo fazer outros treinos com ele, como musculação e funcional, mas para usar no casual já acho um pouco mais difícil a transição.

Opinião geral

O Ultra Boost era um dos meus tênis favoritos de corrida, e o Ultra Boost X conseguiu me surpreender positivamente. De fato, senti que ele é mais confortável e dá um suporte maior que o Ultra Boost tradicional porque se encaixa bem mais nos nossos pés. O único porém é o preço, mas fique de olho nas promoções porque vale a pena experimentar (dica: nas Runbases da Adidas, você pode pegar o modelo emprestado e sentir por si mesma). Sério candidato a ser um dos meus favoritos de 2017!

Onde comprar: AdidasCentauro

Lá em 2015, nós conhecemos o SpeedForm Gemini da Under Armour, nos apaixonamos por ele, se tornou o meu queridinho e o da Mari. No ano passado a marca lançou sua segunda versão e hoje vamos contar um pouco sobre este modelo.

Beleza e Design

Em relação ao modelo anterior, não teve variação de design. O que mudou mesmo, foram as cores, o que eu tenho é o azul claro com solado preto e logo em rosa. Achei muito legal está cor para o modelo feminino, pois foge do rosa/roxo.

Conforto e Amortecimento

Para mim, o conforto do tênis é na medida certa. Eu gosto de tênis que acomodam bem pé, tem um bom espaço interno, não aperta e nem é largo demais. Dá para correr sem meia tranquilamente, não machuca o pé.

O meu único comentário, é em relação à numeração do tênis: é legal experimentar. O meu Gemini 1 é 39, já este é 38. Para mim, não fez diferença, mas se você gosta de tênis um pouco maiores, dê uma olhada na tabela de medidas da marca para saber sua numeração correta.

Peso

O tênis pesa 240g no tamanho 36. Lembrando que esse peso varia com a numeração.

Tecnologias

SpeedForm: cabedal respirável, leve e repelente à água.

Micro G: espuma leve que contribui para o retorno de energia e impulsiona a próxima passada para maior velocidade e alcance.

Charged Cushioning: amortecimento extra garantido que proporciona maior proteção contra o impacto e resposta rápida.

Custo x Benefício

Por ser um modelo que já não está entre os lançamentos, é possível encontrar por preços bem competitivos, na faixa de R$ 320,00. Vale o pagar o preço para ter um tênis muito bom.

Opinião Geral

Eu continuo gostando muito do modelo e está entre os meus favoritos, é um tênis que se adapta a curtas e longas distâncias. E por já terem lançado a versão 2.1 e também a versão 3 que é bem diferente das anteriores, o preço está legal e acho que vale o investimento.