Olá, mulherada!

Estamos no outubro rosa, mês para nos conscientizarmos sobre o câncer de mama e nos prevenirmos. 😉 Você tem dúvidas sobre o câncer de mama? A Dra. Ana Beatriz Matos reuniu as dúvidas mais comuns e respondeu pra gente!

Mito: Câncer de mama dói. 

O câncer de mama precoce, em estágio inicial raramente é doloroso. Na maioria das vezes, a dor da mama é causada por uma condição não cancerosa, como alterações hormonais, dores musculares, uso de sutiã inadequado, tecido mamário fibrocístico ou cistos mamários.

Mito: Se eu encontrar um nódulo na mama provavelmente é câncer. 

Calma! A maioria dos nódulos ou alterações que as mulheres palpam no autoexame mamário não são câncer de mama. Geralmente são mudanças normais do tecido ou nódulos benignas. Contudo, certifique-se, consulte seu mastologista!

Mito: O uso de desodorantes propicia o surgimento de câncer de mama. 

Não há comprovação científica desta afirmação! Os desodorantes não atingem diretamente os tecidos mamários, sua ação é sobre a pele e glândulas sudoríparas. Desse modo, não é considerado um fator de risco para desenvolver câncer de mama.

Mito: Os homens não têm câncer de mama. 

Embora seja raro, os homens podem desenvolver câncer de mama. Homens com história familiar de câncer de mama devem conversar com seus médicos sobre seus riscos pessoais. Se você tem um parente do sexo masculino com câncer de mama, você deve conversar com seu próprio médico sobre o que isso significa para você, pois há maior risco  de desenvolvimento de câncer de mama. A consulta com geneticista é importante quando algum homem da família tem câncer de mama.

Mito: Os casos de câncer de mama estão do lado do meu pai, então eu não preciso me preocupar. 

Quando você nasce, você herda dois conjuntos de genes, um  vem de sua mãe e o outro conjunto vem de seu pai. Você tem a mesma chance de herdar um gene ou traço de qualquer lado da família. As histórias familiares de ambos, mãe e  pai são importantes.

Mito: Há história de câncer de mama em minha família, então obrigatoriamente eu terei câncer! 

É importante saber que a maioria dos cânceres de mama não são causados por um traço herdado e que nem todas as mulheres com história familiar de câncer de mama estão em maior risco para a doença.

O câncer de mama ocorre mais comumente após a menopausa, as mulheres na pós-menopausa que desenvolvem câncer de mama provavelmente não carregam um traço herdado, logo não passarão para seus descendentes.

Seu risco pessoal pode ser mais elevado se tiver mais de um parente diagnosticado com câncer de mama ou se um familiar teve câncer de mama com 50 anos ou menos. Portanto, é importante que você saiba o máximo possível sobre sua história familiar e compartilhe com seu médico.

Mito: Se eu tiver câncer de mama, vou precisar de uma mastectomia. 

O estágio do seu câncer, seu histórico médico pessoal e sua preferência pessoal determinarão o tipo de cirurgia adequada.

A cirurgia conservadora da mama é um tratamento cirúrgico eficaz para câncer de mama quando é possível a preservação da mama, principalmente em Câncer no estágio inicial. Este tratamento será complementado com a radioterapia, com a mesma eficácia da retirada completa da mama.

Muitos estudos têm demonstrado que a cirurgia conservadora tem os mesmos resultados de sobrevivência da mastectomia.

Mito: Se eu tiver câncer de mama, eu preciso de quimioterapia. 

A quimioterapia não é automaticamente incluída em um plano de tratamento do câncer de mama. Seu caso deve atender a critérios específicos para que seu médico recomende a quimioterapia.

Mito: A radioterapia fará com que meu cabelo caia. 

A radiação direcionada ao tecido mamário não causa perda de cabelo. A radiação terapêutica para a mama pode causar alterações locais, como escurecimento e espessamento da pele, bem como fadiga.

Mito: Eu tenho câncer de mama, meus filhos terão câncer de mama. 

Se você já parou de menstruar e não tem antecedentes familiares de câncer de mama, as chances de você ter um traço genético herdado e transmitir aos seus filhos são extremamente baixos.

Se você estiver em fase pré-menopausa (ainda tendo ciclos menstruais) e desenvolver câncer de mama, a probabilidade de você ter uma característica hereditária que aumentaria o risco de desenvolver câncer de mama pode ser maior. Contudo cada caso deve ser avaliado individualmente, o seu médico irá discutir estes riscos com você.

Mito: Há uma história de câncer de colo uterino em minha família, por isso tenho risco aumentado de câncer de mama. 

O câncer de colo de útero não está associado a traços genéticos que aumentam o risco de câncer de mama. Mas no caso de câncer de ovário, este pode aumentar o risco de câncer da mama. Portanto, você deve estar ciente do tipo específico de câncer ginecológico (“feminino”) de seu(s) parente(s)  e compartilhar essas informações com o seu médico.

A sua dúvida não foi respondida? Deixe nos comentários!

Ana Beatriz Matos é médica mastologista, ginecologista e obstetra. É titulada nas especialidades de ginecologia e obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e em mastologia pela Sociedade Brasileira de Mastologia. Realizou também curso de aperfeiçoamento em Cirurgia Oncoplástica e Reconstrutora Mamária da Sociedade Brasileira de Mastologia. Atualmente, atende em consultório de ginecologia e mastologia na clínica Integrata – Centro de Referência em Saúde, em Perdizes. Atua também como médica assistente e preceptora da residência de mastologia do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo e integra o corpo clínico do serviço de imaginologia mamária do laboratório Salomão e Zoppi. CRM 141-427 SP – Especialidades: Ginecologia e Obstetricia – RQE nº 61182 e Mastologia – RQE nº 61181.

 

Olá, mulherada! Esse mês é todo especial, mês do outubro rosa, mês para nos conscientizarmos sobre o câncer de mama. E toda semana traremos posts sobre o assunto. 😉

No Brasil e no mundo, o câncer de mama está em segundo lugar dentre os cânceres que mais afetam as mulheres, atrás apenas do câncer de pele não melanoma. Em 2016, o Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que no Brasil ocorrerão 57.960 novos casos de câncer de mama entre a população.

O que é câncer de mama? 

O câncer de mama é um tumor que se forma devido ao crescimento e multiplicação de células anormais da mama, que o organismo não consegue combater. Há vários tipos de Câncer de mama, e a maioria cresce de maneira lenta, por isso quando é diagnosticado no início, tem boa resposta ao tratamento, com 90% de chance de cura.

O que causa o câncer de mama? 

Não existe uma causa única para o câncer de mama! Fatores pessoais, genéticos, hormonais, comportamentais e ambientais aumentam o risco de a mulher desenvolver câncer de mama.

Mamografia

É o principal exame para rastreamento de câncer de mama, sendo capaz de detectar o câncer de mama no início e possibilitar seu tratamento e cura. A mamografia salva vidas! É indicado pela Sociedade Brasileira de Mastologia que as mulheres comecem a realizar mamografia aos 40 anos e a partir de então anualmente, sempre com acompanhamento médico.

Chance de desenvolver câncer de mama de acordo com a idade

20 anos 1 em 1674
30 anos 1 em 225
40 anos 1 em 69
50 anos 1 em 44
60 anos 1 em 29
70 anos 1 em 26
Ao longo da vida 1 em 8

Fonte: American Cancer Society Breast Cancer Facts and Figures 2015

Fatores que podem aumentar o risco de câncer de mama

  • Ser mulher;
  • História familiar de câncer de mama;
  • Ter mutações herdadas de genes que predispõem ao câncer de mama;
  • Idade avançada, envelhecer. Com o envelhecimento, o risco de câncer de mama aumenta;
  • Última menstruação (menopausa) tardia, após os 55 anos;
  • Ser mais jovem que 12 anos na primeira menstruação;
  • Primeira gravidez após os 30 anos;
  • Tratamento com altas doses de radiação (Radioterapia) prévia na região do tórax;
  • Mamas densas (aquelas que não tiveram seu tecido substituído por gordura após a menopausa);
  • Obesidade;
  • Sedentarismo;
  • Alcoolismo, mais de um drinque alcoólico por dia;
  • Tabagismo;
  • Uso da terapia de reposição hormonal.

O câncer de mama não dói e não causa sintomas quando está no início. Por isso, é importante consultar seu médico anualmente e realizar mamografia uma vez ao ano a partir dos 40 anos, para fazer o diagnóstico precoce da doença quando a possibilidade de cura é maior!

Fique alerta! Na presença de qualquer sinal ou sintoma abaixo, consulte seu médico:

  • Nódulo (“caroço”, “bolinha”) na mama;
  • Pele da mama com alterações, mais espessa, dura, tipo casca de laranja;
  • Alterações no mamilo;
  • Saída espontânea de líquido de um dos mamilos;
  • Pequenos nódulos no pescoço ou na região embaixo dos braços (axilas).

Como posso prevenir o câncer de mama?

As mulheres devem consultar seu médico, no mínimo uma vez ao ano, para avaliação completa da saúde feminina. Mulheres a partir dos 40 anos devem fazer mamografia uma vez ao ano.

O auto-exame pode ser realizado uma vez por mês para auto-conhecimento das mamas, mas não substitui de maneira alguma a visita ao médico e a mamografia!
Mulheres que apresentem algum fator que as classifique em pacientes de alto risco    para   desenvolver câncer de mama devem ser acompanhadas pelo mastologista, que iniciará o rastreamento precocemente e de maneira individualizada.

E ainda, atenção aos hábitos de vida:

  • Manter o peso corporal adequado;
  • Praticar atividade física;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Evitar tabagismo;
  • Terapia de reposição hormonal sempre acompanhada por ginecologista.

Fique atenta aos sinais que o corpo mostra, na presença de qualquer alteração nas mamas, consulte seu médico!

Quem se ama, previne!

Ana Beatriz Matos é médica mastologista, ginecologista e obstetra. É titulada nas especialidades de ginecologia e obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e em mastologia pela Sociedade Brasileira de Mastologia. Realizou também curso de aperfeiçoamento em Cirurgia Oncoplástica e Reconstrutora Mamária da Sociedade Brasileira de Mastologia. Atualmente, atende em consultório de ginecologia e mastologia na clínica Integrata – Centro de Referência em Saúde, em Perdizes. Atua também como médica assistente e preceptora da residência de mastologia do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo e integra o corpo clínico do serviço de imaginologia mamária do laboratório Salomão e Zoppi. CRM 141-427 SP – Especialidades: Ginecologia e Obstetricia – RQE nº 61182 e Mastologia – RQE nº 61181.

 

12