Mulher medindo a cintura com fita métrica

Não sei vocês, mas eu nunca dei muita bola para o meu peso. O que me preocupa mesmo são as medidas. Afinal, a gente não anda por aí com uma placa dizendo o quanto pesamos — e muitas vezes esse número pode surpreender, não é mesmo? Por outro lado, nada é mais gostoso do que voltar a servir naquele jeans incrível. E como estou com meu casamento marcado para o ano que vem (#bridezilla rs), aproveitei essa motivação extra para cuidar da minha alimentação e perder uns quilinhos 😛

Quem tem um pouco mais de experiência em reeducação alimentar sabe que perder peso na balança não significa emagrecer de fato. Aliás, dietas muito restritivas acabam se tornando grandes inimigas da perda de peso porque, ao invés de perder gordura, seu corpo perde massa magra, passando a consumir menos calorias em repouso. Ou seja, fica cada vez mais difícil perder peso e, como a queima de energia se torna menor, ao voltar a comer a mesma quantidade de calorias de antes da dieta, você acaba engordando. Sim, essa é a explicação por trás do temido efeito sanfona!

Se você quer perder peso de verdade e de forma duradoura, precisa adotar hábitos que diminuam seu porcentual de gordura corporal, sem reduzir a quantidade de massa magra. No começo é normal perder um pouquinho de massa magra, mas mantendo firme no seu objetivo você provavelmente vai recuperar e até mesmo aumentar essa massa magra. E mais músculos significam medidas menores e um corpo mais definido, o que acredito que é o desejo da maioria 😉

Adipômetro

Mas como calcular o porcentual de gordura corporal? Vou explicar como funcionam dois dos muitos métodos de medição disponíveis. Vamos lá?

Bioimpedância

Este exame é rápido (cerca de um minuto) e indolor. Fiz esta semana durante minha consulta com a nutricionista. São colocados dois pares de eletrodos na mão direita e no pé direito, que permitem que uma corrente elétrica de baixa intensidade passe pelo corpo, analisando o porcentual de gordura, peso da massa magra, quantidade de água e — o mais legal! — a quantidade de calorias que ingerimos em repouso sem atividade física. Assim, é possível traçar um plano alimentar personalizado, seja para emagrecer, seja para aumentar a massa magra.

Adipometria

Apesar de ser menos preciso que a bioimpedância, este método, quando bem feito, deve mostrar resultados similares ao do exame. Quanto mais dobras forem usadas no cálculo, mais acertado será o resultado. A última vez que fiz uma adipometria foi na minha avaliação na academia com o educador físico (em junho), e ele usou o Protocolo de Pollock, com sete dobras cutâneas. As medidas das dobras são feitas com o auxílio do adipômetro, e a fórmula considera também seu peso e altura para fazer os cálculos.

Qual é a porcentagem ideal de gordura?

De modo geral, as mulheres possuem 5% mais gordura corporal que os homens (sim, culpa dos hormônios). Alguns fatores como a idade podem interferir nessas porcentagens, mas, para referência, veja a tabela abaixo:

% gordura corporal Homens Mulheres
Nível de competição 3%-6%
9%-12%
Bastante em forma <= 9%
<= 15%
Em forma 10%-14% 16%-20%
Média 15%-19% 21%-25%
Abaixo da média 20%-25% 26%-30%
Precisa de atenção 26%-30%+ 31%-40%+

Fonte: emagrecerdevez.com

É importante lembrar que todos nós precisamos de um porcentual mínimo de gordura no corpo para manter o seu bom funcionamento. No caso das mulheres, o mínimo fica entre 7 e 8% e uma taxa inferior a isso poderá colocar em risco a sua saúde.

Descobri meu porcentual de gordura — e agora?

Não se deixe levar (apenas) pela balança. Se você perder massa magra, estará trabalhando contra o seu emagrecimento. Por isso, antes de fazer qualquer tipo de dieta, consulte um profissional que poderá ajudá-la com esses cálculos e orientá-la corretamente. E, para avaliar se seus resultados estão realmente satisfatórios, calcule seu porcentual de gordura periodicamente 😉

Maria Melilo no hospital (Reprodução/Facebook/Instagram)

Maria Melilo se recupera após cirurgia no fígado

Esta semana dois assuntos caíram na boca do povo: o Rei do Camarote (hehe) e a triste notícia de que a Maria Melilo, vencedora do Big Brother Brasil 11, está com câncer no fígado. A principal suspeita é que o câncer tenha sido causado pelo uso de anabolizantes, que a ex-BBB admitiu que tomava para ter um corpo mais definido quando ainda estava no programa.

Todas nós sabemos que há uma grande pressão para sermos lindas AND gostosas 100% do tempo. Por mais que homens também sintam essa pressão da sociedade, infelizmente não dá para comparar com a cobrança que é feita em cima das mulheres. E hoje, além de magras, muitas mulheres sonham com um corpo definido – o que não é nada fácil de se conseguir! É preciso treinar muito, fazer musculação, ter uma alimentação regrada… E algumas pessoas acabam usando anabolizantes para acelerar o processo, apesar das consequências.

É bom lembrar que estamos falando de cargas extras de testosterona, o hormônio masculino. Por isso, o uso de anabolizantes pode trazer alguns efeitos colaterais desagradáveis para as mulheres, como aumento dos pelos no corpo, em especial no rosto; acne; queda de cabelo; atrofia (diminuição) das mamas; retenção de líquidos; engrossamento da voz; e aumento do clitóris. Outro efeito que “entrega” o uso de anabolizantes é ganhar musculatura onde normalmente não se consegue, como no trapézio (perto do pescoço).

Saindo do campo estético, o uso continuado de anabolizantes pode também aumentar a pressão arterial; interromper a menstruação; elevar a tendência a desenvolver diabetes; aumentar o colesterol ruim e diminuir o bom; e afetar o funcionamento do fígado, podendo levar ao desenvolvimento de tumores (malignos e benignos), hepatite, cirrose, entre outros problemas. Há, inclusive, casos de infarto e morte súbita associados ao uso desses produtos.

É importante ressaltar que, em alguns casos (raros), os anabolizantes são recomendados — como quando a pessoa está desnutrida e precisa ganhar massa muscular (leia-se: restaurar a musculatura perdida, e não hipertrofiar). Mesmo assim, o uso é controlado, com doses baixas e por um curto período de tempo. E, antes de iniciar o tratamento, é preciso fazer uma bateria de exames para saber se a pessoa pode ou não usar a substância e minimizar os danos ao fígado, que é um risco que o paciente corre mesmo com todo esse acompanhamento médico.

Claro que cada um sabe o que é melhor para si e faz o que quer com o próprio corpo, mas nós aqui do Corre Mulherada somos a favor do mantra “saudável é o novo sexy”. Por isso, antes de usar qualquer produto ou medicação, recomendamos que você consulte um especialista (médico e/ou nutricionista) de sua confiança e informe-se sobre os efeitos colaterais e seus sintomas, colocando sua saúde sempre em primeiro lugar.

Cuidem-se, meninas! <3

(Com informações do UOL)