Em entrevistas de emprego, era comum vir aquela perguntinha sobre “qual é o seu maior defeito” e mais comum ainda era o candidato responder sem hesitação: perfeccionismo. Tão comum que virou até piada, né? 😛

Um funcionário perfeccionista pode ser visto como aquele que é atento ao detalhe, incansável em seu trabalho e que não vai medir esforços para entregar o que lhe foi pedido. Quase nem é um defeito! Hahaha… Mas tem um lado desse tal perfeccionismo que ninguém fala: muitas vezes, ele nos paralisa. O medo de errar, de não sermos perfeitos, pode nos impedir de arriscar uma nova direção e tentar coisas diferentes.

Como começar a correr, por exemplo. 😉

Certa vez, li uma entrevista da Sheryl Sandberg, que é uma das top executivas do Facebook, falando que seu mantra é “melhor feito do que perfeito”. Esse conceito, aliás, está na cultura do Facebook, em que errar faz parte do aprendizado e do caminho para a inovação. Não significa fazer as coisas de qualquer jeito, pelo contrário! É sobre não ir para o outro extremo dessa ponta, e entender que é melhor você fazer alguma coisa do que não fazer nada, mesmo que ainda não seja MASTER-BLASTER-INCRÍVEL-IMPECÁVEL.

Anos atrás, escrevi um post (aqui) falando sobre como o esporte me ajudou a aceitar que, por mais que eu me esforce, não tem como eu ser a melhor em tudo o que não quer dizer que o que eu tenho a oferecer é tão ruim que eu nem deveria começar. Desde então, tenho procurado aceitar que nem tudo precisa ser perfeito para valer a pena. E é justamente aqui que a corrida mais me ajuda: a entender que posso não ser a mais rápidaposso não conseguir treinar na frequência que gostariaposso não estar no peso que acho mais adequado, mas nada disso é motivo para deixar de correr, já que isso me faz tão bem. 🙂

A verdade é que, por mais que a gente idealize um caminho para realizar nossos objetivos, nem sempre ele vai bater com aquilo que podemos fazer agora, com os recursos que temos em mãos hoje. Protelar com a desculpa de que “depois poderei fazer melhor” é tentador e parece até sábio, mas nem sempre é uma boa ideia. Por quê? Porque imprevistos acontecem e esse momento ideal pode nunca chegar.

Don’t quit, do it! Não desista, faça!

De novo, não significa fazer as coisas de qualquer jeito, mas não deixar que esse perfeccionismo, tão valorizado pela sociedade, vire um problema e acabe sabotando os seus planos!

Todo mundo precisa começar de algum lugar, e esse ponto inicial pode estar longe do que você considera o ideal. Não vou mentir: vencer essa barreira vai ser difícil. Vai parecer exaustivo, cansativo, inútil… Porém, toda vez que você se pegar com esses pensamentos, pergunte a si mesma: será que está realmente tão ruim assim, ou eu é quem estou me cobrando excessivamente? Tem algo que eu possa fazer para melhorar ou é apenas a ansiedade e o medo de falhar falando mais alto? 

Respire fundo e repita comigo: algumas coisas devem ser feitas, mesmo que não estejam perfeitas.

Ao invés de perseguir um ideal de perfeição que só te machuca e paralisa, ou simplesmente desistir de algo que você gosta por medo das críticas (suas e dos outros), que tal investir na melhoria contínua? Não fique pensando no quanto você não está pronta, apenas permita-se começar, permita-se tentar… E permita-se crescer, evoluir!

Talvez você nunca corra a tal maratona, ou tenha aquela barriga tanquinho, ou alcance o pace que hoje faz seus olhos brilharem… É um risco, mas riscos fazem parte da vida. Pelo menos você vai ter feito alguma coisa ao invés de nada – o que, quando falamos de atividade física, já é um grande passo!

Siga em frente, encarando suas dificuldades e limitações como oportunidades para descobrir mais sobre si mesma. Você vai se exercitar, se divertir e, principalmente, aprender bastante coisa no caminho. E esse aprendizado, acredite, vale MUITO a pena! É muito mais sobre a jornada do que sobre o destino final. 😉

Vocês também se cobram bastante? Como lidam com isso? Vamos continuar esse papo nos comentários!

Oi, mulherada!

Hoje vou contar para vocês um pouco mais sobre as mudanças que fiz na minha alimentação nos meses que antecederam a meia maratona com a orientação da dra. Luciana Corrêa, nutróloga da Integrata Saúde – e que, como vocês já sabem, me renderam uns quilinhos a menos! Uhu! 😉

Desde o meu casamento eu não conseguia baixar o ponteiro da balança, que estava estacionado nos 69, 68 quilos. Por um lado foi bom, porque manter por dois anos o peso que perdi desde que comecei a correr e, especialmente, durante o noivado é sinal de que meu corpo se adaptou à nova realidade – e olha que fui dos 75 kg para os 69 kg. Por outro lado, eu começava a acreditar que nunca mais voltaria ao peso dos meus 20 e poucos anos (na casa dos 64 kg).

No meu aniversário em 2012, antes de começar a correr; no meu casamento em 2014, 6 kg mais magra; e no casamento de uma amiga no final de outubro, com mais 3kg eliminados

No meu aniversário em 2012, antes de começar a correr; no meu casamento em 2014, 6 kg mais magra; e no casamento de uma amiga no sábado passado, com mais 3kg eliminados.

Uma das minhas maiores dificuldades sempre foi baixar meu porcentual de gordura corporal, que estava ali beirando os 30%. A corrida é uma ótima aliada no emagrecimento, especialmente quando a gente passa a aumentar as distâncias (treinar para uma meia maratona, por exemplo). Mas sem se alimentar corretamente o resultado pode ser um pouco diferente do esperado: perdemos peso, só que, nesses quilinhos a menos, não tem só gordura, não… Tem massa magra também!

Uma vez que consegui organizar os horários das minhas refeições e entender melhor os sinais de fome e saciedade do meu corpo, identificamos, dentro do Programa On Run, que eu precisaria começar a suplementar também e aí passei a me consultar com uma nutróloga e não mais com a nutricionista.

A principal diferença é que, por ser médica, a nutróloga pode prescrever medicamentos – no meu caso, não usei inibidores de apetite ou algo do tipo, mas a maior parte dos suplementos que tomo é manipulada. Assim, tenho uma fórmula personalizada para suprir as vitaminas e minerais que estão em falta no meu corpo,  de acordo com meus objetivos e também com os resultados dos meus exames de sangue. E põe exame de sangue nisso: foram 17 páginas! Nunca fiz um exame de sangue tão extenso em toda a minha vida!! rs

O cardápio não mudou muito nesses dois meses que antecederam a meia, o que mudou mesmo foi a inclusão da suplementação, em especial antes e depois dos treinos. E deu para perceber diferença: senti mais energia durante a atividade física, menos fome depois e uma recuperação mais rápida entre um treino e outro. Isso me ajudou a manter a dieta com mais regularidade e…

ju-vargas-peso-out2016

Histórico da composição corporal

…consegui sair da casa dos 68 quilos! Nem acreditei, mas perdi 3,3 kg em pouco mais de dois meses. 🙂

Vocês vão notar que tem diferença aqui em relação às balanças que postei no resultado do desafio porque 1. a balança do consultório é bem mais precisa que a da farmácia; e 2. no consultório eu me peso só de calcinha e camiseta, bem diferente da farmácia, em que nem tiro o sapato, né! Hahahaha… Mas comparando as pesagens de um mês com o outro, tem essa mesma queda de um quilo nas duas balanças (entre setembro e outubro).

O único aspecto negativo é que… olha a massa magra caindo ali! Pois é, ainda estou com dificuldade nessa parte e, junto com a dra. Luciana, identificamos o provável vilão: o anticoncepcional. Sei que isso deve deixar muitas de vocês curiosas, então farei um post mais completinho sobre o tema depois.

Além disso, como meu volume de treinos de corrida vai diminuir nos próximos meses, com menos quilômetros por semana, mudamos a dieta para focar no meu novo objetivo, que é fortalecimento. Ou seja, menos carboidratos e mais proteínas. Daqui dois meses volto ao consultório para avaliar os resultados e depois venho aqui no blog relatar para vocês como foi essa nova etapa.

Enquanto isso, vocês podem acompanhar um pouco do nosso dia a dia e do #DesafioRJR2016 (que continuamos firmes e fortes até o fim do ano) no Instagram e no Stories do CM. 😉

Bora treinar e comer direitinho para fortalecer e correr ainda melhor em 2017!

parceiro-integrata