Oi, mulherada! Sei que já está no fim de janeiro, mas… vamos falar sobre 2017? rs

2016 foi muito intenso para todo mundo, de diferentes formas. Comigo não foi diferente. Nunca fiz tanto em um único ano, e tudo que fiz pareceu exigir de mim duas ou três vezes mais esforço para acontecer. Por outro lado, eu estava com um pique do Jiraya (hahahaha…) e mesmo cansada, estressada, irritada, (me) xingando horrores por arrumar tanta coisa ao mesmo tempo na vida para resolver etc etc etc, fui lá e fiz.

Eu passando por 2016, rs

Sabe aquela história de que, se você quer que algo aconteça, peça para uma pessoa ocupada? Então, em 2016 eu fui essa pessoa ocupada! 😛

O ano foi acabando e, quando achei que teria uma folga, não rolou… Dezembro foi o mês mais corrido de todos, tanto no trabalho, como na vida pessoal… Foi loucura, foi insano, porém sobrevivi!

Depois de tudo isso eu precisava de umas boas férias. Olha, há muito tempo não tirava umas férias tão “férias” na vida. Foi incrível! 🙂

Passamos duas semanas viajando entre Pernambuco e Ceará

Durante os dias em que estive fora, não pensei em dieta, planilha, treino… Também não fiquei nessas de abrir emails, checar o Facebook ou o que quer que fosse. Não me preocupei em “cumprir” nada; naturalmente, tudo foi acontecendo quando eu me senti com vontade de fazer. E não é que no final deu certo? rs Agora sinto que estou com as energias recarregadas para encarar 2017 com tudo!!! 😀

Pouco antes do Natal, gravamos um podcast pro Clube das Corredoras sobre metas de fim de ano (já ouviu?) e eu falei muito sobre como gosto de traçar objetivos, sim, mas deixá-los mais “abertos”, sempre pensando em algum ganho maior, geralmente ligado ao meu autoconhecimento.

Ano passado, por exemplo, eu queria ser mais disciplinada. Completar minha primeira meia maratona foi um meio que encontrei para me ajudar a atingir esse objetivo maior. Ainda estou longe de ser um exemplo nesse aspecto, mas melhorei muito e os treinos ajudaram bastante nesse ponto. Prova disso é que não teria conseguido fazer metade do que fiz em 2016 se não estivesse trabalhando justamente minha organização e o famoso foco.

Felicidade é estar de férias e ter uma praia dessas só pra você! (Canoa Quebrada, CE)

Para 2017, como adiantei no podcast, acho que a palavra-chave é coragem. Desde que começamos o Corre Mulherada, me descobri capaz de fazer muito mais do que imaginava. Sim, correr (simplesmente correr, nem estou falando de correr a distância x ou no pace y, apenas correr) é algo que anos atrás eu jamais me imaginaria fazendo… Agora estou naqueles momentos da vida em que queremos dar um passo além, nos desafiar, sair da zona de conforto. E isso requer coragem, né? Sei que me falta e preciso trabalhar isso.

Como a corrida é essa maravilhosa metáfora da vida, estou certa de que os treinos vão me ajudar a me perceber mais forte e confiante. Tem sim algumas provas específicas pela frente, mas isso fica para outro post. 😉

E vocês, quais aspectos querem trabalhar em 2017?

Oi, mulherada!

Hoje vou contar para vocês um pouco mais sobre as mudanças que fiz na minha alimentação nos meses que antecederam a meia maratona com a orientação da dra. Luciana Corrêa, nutróloga da Integrata Saúde – e que, como vocês já sabem, me renderam uns quilinhos a menos! Uhu! 😉

Desde o meu casamento eu não conseguia baixar o ponteiro da balança, que estava estacionado nos 69, 68 quilos. Por um lado foi bom, porque manter por dois anos o peso que perdi desde que comecei a correr e, especialmente, durante o noivado é sinal de que meu corpo se adaptou à nova realidade – e olha que fui dos 75 kg para os 69 kg. Por outro lado, eu começava a acreditar que nunca mais voltaria ao peso dos meus 20 e poucos anos (na casa dos 64 kg).

No meu aniversário em 2012, antes de começar a correr; no meu casamento em 2014, 6 kg mais magra; e no casamento de uma amiga no final de outubro, com mais 3kg eliminados

No meu aniversário em 2012, antes de começar a correr; no meu casamento em 2014, 6 kg mais magra; e no casamento de uma amiga no sábado passado, com mais 3kg eliminados.

Uma das minhas maiores dificuldades sempre foi baixar meu porcentual de gordura corporal, que estava ali beirando os 30%. A corrida é uma ótima aliada no emagrecimento, especialmente quando a gente passa a aumentar as distâncias (treinar para uma meia maratona, por exemplo). Mas sem se alimentar corretamente o resultado pode ser um pouco diferente do esperado: perdemos peso, só que, nesses quilinhos a menos, não tem só gordura, não… Tem massa magra também!

Uma vez que consegui organizar os horários das minhas refeições e entender melhor os sinais de fome e saciedade do meu corpo, identificamos, dentro do Programa On Run, que eu precisaria começar a suplementar também e aí passei a me consultar com uma nutróloga e não mais com a nutricionista.

A principal diferença é que, por ser médica, a nutróloga pode prescrever medicamentos – no meu caso, não usei inibidores de apetite ou algo do tipo, mas a maior parte dos suplementos que tomo é manipulada. Assim, tenho uma fórmula personalizada para suprir as vitaminas e minerais que estão em falta no meu corpo,  de acordo com meus objetivos e também com os resultados dos meus exames de sangue. E põe exame de sangue nisso: foram 17 páginas! Nunca fiz um exame de sangue tão extenso em toda a minha vida!! rs

O cardápio não mudou muito nesses dois meses que antecederam a meia, o que mudou mesmo foi a inclusão da suplementação, em especial antes e depois dos treinos. E deu para perceber diferença: senti mais energia durante a atividade física, menos fome depois e uma recuperação mais rápida entre um treino e outro. Isso me ajudou a manter a dieta com mais regularidade e…

ju-vargas-peso-out2016

Histórico da composição corporal

…consegui sair da casa dos 68 quilos! Nem acreditei, mas perdi 3,3 kg em pouco mais de dois meses. 🙂

Vocês vão notar que tem diferença aqui em relação às balanças que postei no resultado do desafio porque 1. a balança do consultório é bem mais precisa que a da farmácia; e 2. no consultório eu me peso só de calcinha e camiseta, bem diferente da farmácia, em que nem tiro o sapato, né! Hahahaha… Mas comparando as pesagens de um mês com o outro, tem essa mesma queda de um quilo nas duas balanças (entre setembro e outubro).

O único aspecto negativo é que… olha a massa magra caindo ali! Pois é, ainda estou com dificuldade nessa parte e, junto com a dra. Luciana, identificamos o provável vilão: o anticoncepcional. Sei que isso deve deixar muitas de vocês curiosas, então farei um post mais completinho sobre o tema depois.

Além disso, como meu volume de treinos de corrida vai diminuir nos próximos meses, com menos quilômetros por semana, mudamos a dieta para focar no meu novo objetivo, que é fortalecimento. Ou seja, menos carboidratos e mais proteínas. Daqui dois meses volto ao consultório para avaliar os resultados e depois venho aqui no blog relatar para vocês como foi essa nova etapa.

Enquanto isso, vocês podem acompanhar um pouco do nosso dia a dia e do #DesafioRJR2016 (que continuamos firmes e fortes até o fim do ano) no Instagram e no Stories do CM. 😉

Bora treinar e comer direitinho para fortalecer e correr ainda melhor em 2017!

parceiro-integrata