No último final de semana, aconteceu em São Paulo, a primeira edição da Nat Geo Run, a corrida do National Geographic. A prova tinha como objetivo disseminar a importância da sustentabilidade para futuras gerações e também comemorar o Dia Internacional da Terra (22/04).

No sábado, retiramos o kit no Shopping JK Iguatemi e foi super tranquilo, o kit estava bem recheado com camiseta, feita com o tecido Amni Soul Eco® que é feito de poliamida biodegradável, número de peito, chip, sacola de corrida e vários produtos. Além disso, tinha uma pequena exposição no lounge de entrada da retirada dos kits.

Kit Nat Geo Run

A prova contava com percurso de 3k para a caminhada e 6k para a corrida, e aconteceu no Jardim Botânico, confesso que não conhecia (que vergonha!) e gostei muito de correr em um lugar diferente. Eu e o Beto chegamos bem cima da hora, pois pegamos bastante trânsito na Avenida do evento. Mesmo com o atraso, a largada foi super tranquila e deu tudo certo.

Nessa prova, as coisas não engrenaram para mim rs… logo no começo tinha uma subidinha e durante o percurso tinha diversos trechos com pequenas subidas e foi bem difícil correr, parecia que não estava encaixando, começava a correr e ficava cansada, queria muito parar. Não consegui identificar direito o que aconteceu, talvez não ter dormido direito nos dias anteriores e estava bem cansada, pode ter sido as subidas que me cansaram bem mais, não sei.

A verdade é que boa parte do percurso foi bem complicado e nada encaixou.

Apesar do que aconteceu, foi bem legal correr em um lugar diferente do que estou acostumada e o pós prova estava bem legal. Tinha várias coisas para curtir e o legal é que os lixos eram separados, tinha um lixo separado para os orgânicos (restos de maçãs e casca de banana). A prova inclusive recebeu o Selo Sou Resíduo Zero, por reduzir e dar a destinação correta para os resíduos. Legal, né?

É sempre bom correr por uma causa!

No último final de semana, aconteceu em São Paulo uma corrida feminina diferente, o Revezamento de Mulher para Mulher Marisa. Algumas leitoras participaram (teve até concurso cultural no blog!) e hoje a Ju Albuquerque conta como foi a prova. Aliás, a Ju já participou do Corrida da Leitora anteriormente, contando como começou a correr após a cirurgia bariátrica. 😉

***

Olá, Mulherada linda!!!

Aqui quem vos fala é a Ju, a Albuquerque, leitora e amiga desse blog que tanto amamos! Vim aqui contar pra vocês como foi correr o Desafio de Mulher pra Mulher, primeira corrida de revezamento feminino, que aconteceu no último domingo, dia 13 de março.

No meio da semana passada, recebi um convite daqueles irrecusáveis, sabe? A Mari (Frioli, autora) me perguntou se eu não queria correr como dupla dela no revezamento. Seriam apenas 5K pra cada, no Jardim Botânico. Pensei: “5k, lugar lindo c’amiga linda…” E óbvio que aceitei! Abstraí o fato de que trabalharia na noite do sábado para o domingo e topei o desafio!

Na quinta, a Mari foi diagnosticada com Dengue 🙁 e ficou impossibilitada de realizar a prova, então eu iria por ela! Mas era um revezamento, não poderia ir sozinha… A Mari me disse pra tentar conseguir uma amiga (louca) pra correr comigo e logo me lembrei de outra Ju, a Juciara, amiga de muitos anos que o destino trouxe de volta pela redução de estômago e trouxe ainda mais pra perto pela corrida.

Ju Albuquerque e Juciara com suas medalhas

Ju Albuquerque e Juciara com suas medalhas

A Juju topou logo de cara! Combinamos os detalhes e, domingo de manhã, ela me buscou no trabalho e fomos juntas pra esse que, posso garantir, foi um dos maiores desafios da vida dessa corredora que vos escreve…

Fui a primeira a largar. Seriam duas voltas de 2,5 km no Jardim Botânico. O tempo estava fresco, perfeito pra correr, tudo muito tranquilo e favorável (haha), até que… Por volta dos 400m depois de largar, lá estava ela: uma piramba louca nos esperando! Uma ladeira que não parecia ter fim e, quando parecia ter acabado, mais piramba pela frente!!!

Sofri, sofri muito – eu, que no último ano corri algumas provas mais longas, quebrei nos 5k… Não tinha passado bem à noite no trabalho, minha rotina de treinos não tem podido ser chamada de uma rotina propriamente dita, mas, apesar de toda a dificuldade, não me arrependo nem um momento de ter topado esse desafio!!! Ele me mostrou que precisamos respeitar o descanso, que resultado só vem com treino, mas, principalmente, que mesmo com tudo contra, não existe corrida capaz de me deixar triste!

Terminei derrubada, com um sorriso imenso no rosto e uma leveza deliciosa na alma!!! A corrida é minha terapia, minha meditação, meu momento de “eu comigo mesma”. É maravilhoso se superar, seja na distância nunca feita, ou no tempo incrível nunca antes conquistado? É!!! Mas estou num momento em que quero tirar o melhor de mim e da corrida, independentemente de qualquer número… E acho que minha cara nas fotos não nega isso! 🙂

Ju Albuquerque no Revezamento de Mulher para Mulher

Sorriso já diz tudo!

A organização da prova foi muito boa! Kit recheadíssimo, hidratação farta, vários mimos no pré e pós-prova e, tirando o percurso do capiroto, não tenho o que reclamar, rs!!!

Quero deixar aqui meu agradecimento à Mari, à Equipe Corre Mulherada () pelo convite e à Juciara, que foi uma parceira sensacional, topou logo de cara o Desafio e tornou essa experiência inesquecível!!!

A Corrida da Leitora é um espaço para compartilhar histórias, conquistas, superações, dicas e muito mais! Quer participar? Preencha o formulário e entraremos em contato.

1