O ato de correr deveria ser algo natural do ser humano, mas nem sempre é o que acontece.
Desde pequenas nos forçamos a práticas não muito adequadas, como carregar mochilas pesadíssimas nas costas ou ficar muito tempo sentadas ‘carcundas’ estudando ou em frente ao computador, e não para por aí! Me lembro que na faculdade, além da bolsa “normal”, ainda carregava uma pasta enorme de desenhos e uma bolsa cheia de cacarecos de costura e modelagem (quem fez/faz moda sabe do que estou me referindo). E digo que até hoje carrego “a casa” na minha bolsa. rs
Resultado disso tudo: uma coluna levemente torta. 🙁

Se existe algo que a maioria dos corredores amadores não prestam muita atenção é o quanto a postura afeta (positivamente ou negativamente) na nossa amada e velha corrida. Claro que cuidar da postura vai além do quesito performance, é uma questão de saúde. Masssss neste post vamos focar na corrida. ☺

Segundo Ronaldo Martinelli, coordenador do programa Bio Running da Bio Ritmo, para praticar a atividade não existem muitos segredos, mas a maneira com a qual seu corpo se move pode deixar a corrida ainda mais segura evitando lesões, além de diminuir o cansaçoA postura deve se ajustar ao indivíduo e ao ritmo de trabalho imposto pelo atleta. Um posicionamento errado durante a corrida ou caminhada implica em uma menor eficiência mecânica do organismo, o que pode levar a uma fadiga precoce.

A má postura é um vício adquirido ao longo da vida e, de acordo com Martinelli, são necessárias avaliações biomecânicas em cada corredor, além de medição dos vícios de postura, para realizar as adequações necessárias. Ele explica que as avaliações devem ser feitas por um médico ou fisioterapeuta, e caso o corredor tenha indícios de lesões, o indicado é um processo de mudança postural imediata. Se isso não for feito, prefiro corrigir o atleta aos poucos, ao longo dos anos. Os casos precisam ser avaliados individualmente, finaliza o coordenador do programa Bio Running, aula power que tem como objetivo o condicionamento cardiovascular, através do aprimoramento das técnicas de corrida.

Obviamente os tratamentos dependem de cada corredor. Em casos mais leves, exercícios educativos dão conta do recado. ☺

postura-corrida-1

Confira mais algumas dicas do coordenador Ronaldo Martinelli para aperfeiçoar os movimentos da cabeça aos pés:

1 – O tronco deve estar ligeiramente elevado a frente, para que se aproveite a inércia do movimento.

2 – Os joelhos devem estar sempre flexionados ao receber o impacto da passada.

3 – Ao preparar a próxima passada, os joelhos devem flexionar em pelo menos 90° e os tornozelos ou pés devem ser elevados.

4 – O quadril deve sempre ser mantido elevado com flexão leve.

5 – A entrada do pé deve ser feita com a parte média e não o calcanhar.

6 – A posição dos braços deve estar em 90° com as mãos passando na linha da cintura.

7 – Ao executar a passada, o corredor deve adotar um alinhamento dos dois pés em sentido único.

Outra dica fácil para saber se você está correndo corretamente é fazer a atividade em frente ao espelho. 😉

post_parceiros_BR_2015

No meu último post, falei para vocês sobre minha decisão de melhorar meu tempo em provas curtas antes de me aventurar em percursos mais longos, lembram? Imaginei que algumas de vocês poderiam se identificar com esse objetivo, por isso pedi para o Eduardo Barbosa, treinador de corridas de rua da 4any1 Assessoria Esportiva que acompanha meus treinos, falar um pouco mais sobre como é o treino de corrida para atingir essa meta. 😉

correndo-5k-rapido

Quando pensamos em corrida de rua, os 5k são considerados uma distância curta, por isso perfeita para quem quer encarar o desafio de ser cada vez mais veloz. “Velocidade é a capacidade de realizar ações motoras em um mínimo espaço de tempo sem perder a eficiência do gesto motor”, explica Edu. “No caso da corrida de rua, significa se deslocar na maior distância no menor tempo possível, levando sua massa corporal no espaço.”

Para tanto, temos que melhorar a postura ao correr e fazer uma preparação específica para esse tipo de prova. “Primeiramente, é preciso treinar algumas características de velocidade como, por exemplo, a velocidade de resistência; ou seja, em alta velocidade, manter a mesma postura de corrida sem perder a qualidade de movimento. Por isso, no início da preparação você pode trabalhar os educativos de corrida“, recomenda Edu.

Outra capacidade a ser trabalhada é a velocidade de aceleração, que representa o aumento progressivo da velocidade. “A estratégia a ser usada no treinamento são os tiros de curta distância – 50, 100 e 200 metros – com intensidade forte. O objetivo é melhorar a tolerância ao ácido lático que pode se acumular no músculo causando fadiga e, como consequência, trazer cãibras que impediriam o atleta de aumentar a velocidade durante a corrida forte.”

E não é porque você não vai percorrer longas distâncias que deve deixar o fortalecimento em segundo plano! “Deve-se considerar também que a energia para esse aumento de velocidade vem dos músculos, principalmente de membros inferiores. Nesse caso, um bom trabalho de musculação deve ser realizado em dias alternados aos dos treinos de corrida, visando um aumento da força”, ressalta Edu.

Como vocês podem ver, é um treinamento que requer um acompanhamento especializado, pois quanto antes você corrigir sua postura e alguns “vícios” ao correr, melhor será a sua evolução. “A melhor maneira de otimizar um treinamento de velocidade é conversando com um treinador especialista ou profissional da área de Educação Física para que seja realizada uma avaliação física e a periodização do treino de acordo com suas atuais condições físicas”, lembra Edu.

Além de ser uma boa oportunidade para aprender a correr com mais eficiência, um treino com foco em velocidade e força para as provas de 5k é uma ótima estratégia para melhorar a resistência nas demais distâncias.

Ficou animada para diminuir seu pace? Esse pode ser um bom objetivo para 2016! 😉

Bons treinos e divirtam-se!

post_parceiros_4any1_2015

12