Sabe aquela receita simples que você faz em cinco minutinhos e que combina com diversos tipos de recheio para variar o sabor sem enjoar? Aprendemos três receitinhas deliciosas com a Juliana Galvão Casali, nutricionista e personal diet da Integrata Saúde, que quebram esse galho e ainda são perfeitas para o pós-treino! 😀

Anote e faça em casa você também:

Crepioca

  • 1 gema e 2 claras de ovo
  • 2 colheres de sopa de goma de tapioca (dessas prontas)
  • Temperos naturais a gosto

Misture todos os ingredientes e despeje a mistura em uma frigideira antiaderente em fogo baixo. Quando a parte de baixo se soltar da frigideira, vire a crepioca e deixe cozinhar o outro lado. Prontinho! Pode rechear com requeijão light, cottage, tomate, abobrinha… explore!

Panqueca Integral Doce

  • 1 batata-doce média cozida
  • 1 ovo inteiro
  • 1 pitada de canela em pó
  • 1 colher de sopa rasa de mel
  • ½ xícara de chá de quinoa em flocos
  • Manteiga ghee para untar a frigideira  (pode substituir por azeite ou óleo de coco)

Cozinhe a batata-doce e amasse com um garfo. Misture com o ovo, a farinha, o mel e a canela. Unte uma frigideira e coloque a mistura em formato de panqueca. Deixe fritar bem dos dois lados. Sirva sozinha ou com frutas, geleia sem açúcar ou o que mais você preferir.

Panqueca Integral Salgada

  • 2 xícaras de chá de água
  • 1 xícara de chá de farinha de arroz
  • 1 xícara de chá de farinha de grão-de-bico
  • 2 colheres de sopa de gergelim preto
  • 1 colher de chá de linhaça
  • 1 colher de sobremesa de cúrcuma
  • 1 pitada de sal rosa
  • Manteiga ghee para untar a frigideira (pode substituir por azeite ou óleo de coco)

No liquidificador, coloque todos os ingredientes da massa, menos o gergelim, e bata até que fique homogêneo. Se precisar, coloque um pouco mais de água. Adicione o gergelim em seguida. Numa frigideira, pincele um pouco de ghee e adicione uma concha de massa. Gire a frigideira até formar um disco bem fino. Com a ajuda de uma espátula, vire a panqueca e deixe dourar por cerca de um minuto. Retire a massa do fogo e coloque em um prato. Repita o procedimento até terminar a massa. Recheie com vegetais grelhados e queijo branco ou outro recheio saudável da sua preferência.

Se você preparou alguma dessas receitas, não deixe de compartilhar sua foto com a hashtag #comemulherada 😀

Juliana Galvão Casali (CRN3-47.567) é nutricionista especializada em pediatria e nutrição infantil, e personal diet. Realiza atendimentos e acompanhamento nutricional de recém-nascidos, crianças, adolescentes e adultos, incluindo gestantes e lactantes, educação nutricional, treinamento nutricional para babás e cuidadoras e tratamento de dificuldade alimentar. Atende na clínica Integrata Saúde, em São Paulo (SP).

 

teste-glicemia-diabetes

Já explicamos aqui no blog o que é diabetes e alguns cuidados adicionais que corredores diabéticos devem ter. Contudo, como acontece com muitas outras doenças, há diversos mitos sobre o assunto, em especial relacionados à alimentação. Por isso, pedimos para a dra. Yolanda Schrank, endocrinologista do laboratório Bronstein, esclarecer 10 dúvidas que estão entre as mais comuns.

1. Consumir muito açúcar causa diabetes.
Mito! O açúcar não é o agente que causa o diabetes diretamente, mas comer alimentos com muito açúcar pode levar à obesidade que, por sua vez, pode trazer o quadro de diabetes em pessoas predispostas.

2. Pessoas diabéticas não podem consumir doces ou chocolates.
Verdade! Doces e chocolates devem ser evitados por pacientes diabéticos, já que a metabolização desses alimentos depende da insulina, hormônio deficiente nessas pessoas.

3. Pessoas diabéticas só podem consumir alimentos diet.
Mito! O ideal para pacientes diabéticos é que eles tenham uma dieta equilibrada. No entanto, alimentos dietéticos devem ser preferidos no lugar das versões com mais açúcar.

4. Diabéticos devem controlar a ingestão de frutas.
Verdade! Por conterem frutose, outro tipo de açúcar transformado em glicose pelo organismo, as frutas devem ser consumidas de forma equilibrada.

5. Pessoas com diabetes não podem comer pães e massas.
Mito! Desde que seja de forma moderada, já que o organismo transforma esses alimentos em glicose, pessoas com diabetes podem comer pães e massas.

6. Cortar os carboidratos da dieta anula a necessidade da ingestão de insulina.
Mito! Cortar carboidratos pode diminuir a necessidade de insulina, mas não a anula completamente. Em quantidades reduzidas, o carboidrato está presente em outros grupos de alimentos e, além disso, o organismo, quando não recebe glicose suficiente na alimentação, produz glicose a partir de outras fontes.

7. Mães diabéticas terão filhos diabéticos.
Mito! Segundo a dra. Yolanda, isso não é uma regra. Apesar de o diabetes tipo 2 ter herança genética, fatores ambientais como o sedentarismo, a obesidade e os maus hábitos alimentares determinam seu desenvolvimento.

8. Diabetes não tem cura.
Depende! O diabetes tipo 1, decorrente da destruição autoimune das células que produzem a insulina, não tem cura. Já o tipo 2 pode ser revertido quando o paciente faz uma grande mudança em seu estilo de vida. Pessoas obesas que perderam peso com estilo de vida saudável, por exemplo, podem reverter o diabetes tipo 2.

9. A aplicação de insulina causa dependência química.
Mito! A insulina, assim como qualquer medicamento necessário ao tratamento de doenças crônicas, não causa dependência, ou seja, o paciente não tem crise de abstinência quando suspende seu uso. Entretanto, como ele não produz o hormônio em quantidade suficiente, a suspensão do tratamento poderá implicar sério risco à saúde. “É importante entender que a insulina é um hormônio essencial ao bom funcionamento do organismo. Por isso, as injeções são parte indispensável do tratamento do diabéticos tipo 1, que não produzem o hormônio. Portadores de diabetes tipo 2, em especial diabéticos de longa data, também podem necessitar fazer uso do hormônio, transitoriamente ou em definitivo”, afirma a dra. Yolanda.

10. O estresse pode agravar o diabetes.
Verdade! Segundo a médica, o estresse provoca a liberação de hormônios como o cortisol, que aumenta a glicose no sangue. Consequentemente, o estresse pode dificultar o controle da doença.

Tem mais alguma dúvida sobre diabetes? Deixe nos comentários!

Dra. Yolanda SchrankDra. Yolanda Schrank é endocrinologista integrante do corpo clínico do laboratório Bronstein Medicina Diagnóstica. Médica integrante do Canal do Médico/Setor de Provas Fucionais – DASA e do Serviço de Endocrinologia do Hospital Federal de Bonsucesso. Especialista em Endocrinologia e Metabologia – SBEM/AMB, tem mestrado em Endocrinologia e Metabologia pela PUC-RJ.