Olá mulherada!

Seguimos no #DesafioRJR2016 e hoje é dia de falar como foi esse último mês e quais foram os nossos resultados.

ANTES

resultado-mes1-desafiorjr2016

Nosso peso após o primeiro mês do desafio: Mari, Ju e Aline

DEPOIS

desafio-cm-mes-2

Resultados do segundo mês: Mari, Ju e Aline

Nossa impressões

aline-perfilAline: Neste segundo mês consegui organizar melhor a alimentação, consumi bastante legumes e frutas, alguns dias eu cortei o pão pela manhã (sou muito viciada rs), entretanto em relação aos treinos eles estão bem devagar, ainda está faltando a minha tão sonhada regularidade. Outra coisa que tem me atrapalhado muito é a ansiedade que eu tenho sentido de querer resolver tudo e colocar as coisas nos trilhos, e quando fico muita ansiosa acabo comendo o que não devo. Neste próximo mês, quero trabalhar essa ansiedade e a regularidade nos treinos. Quero começar 2017 na casa dos 70kg.

 

mari-perfilMari: Meu segundo mês deu tudo errado, tô até feliz que ainda consegui emagrecer algo e não engordar, rs. Fiz duas semanas certinho e cheguei na casa dos 73 kg. Fui viajar para Caldas Novas e era tudo à vontade, eu ainda não sei lidar e claro que engordei, mas estava tranquila, porque sabia que era só me dedicar que voltaria a emagrecer. Voltei da viagem na quinta e no sábado fiquei super mal, doente, foram duas semanas de antibiótico, sem poder fazer atividade física, e sem pique pra qualquer coisa, só queria dormir. Então… tô só feliz porque não engordei, rs. Espero que esse mês agora seja muito melhor. Comecei refazendo todo o meu check-up e indo em todos os médicos possíveis (essa semana ainda tem alguns e depois são vários exames e retornos). Melhor prevenir do que remediar. 😉

 

ju-perfilJu: No segundo mês do desafio, meu foco foi na alimentação e nos treinos de fortalecimento. Com as aulas do MBA a todo vapor, precisei readequar meus horários e fazer algumas alterações na minha dieta e rotina de exercícios. Agora estou dedicando mais tempo para a musculação e fazendo treinos mais curtos de corrida — quero fazer outra meia maratona sim, mas só no ano que vem. Essa fase de adaptação (ou readaptação) sempre é um pouco confusa para mim, mas depois de umas duas semanas as coisas encaixaram e consegui perder mais um pouquinho de peso. No trabalho, o pessoal também seguiu firme no desafio e fui uma das contempladas este mês porque bati minha meta de emagrecimento. Aeee!! Até ganhei um dinheirinho, hahahaha… 😉

O foco continua e sem desanimar. Bora se desafiar e atingir seu objetivo? Mês que vem a gente posta novamente nossos resultados. 😉

E não deixem de seguir a gente no Instagram @corremulherada, nós postamos um pouco da nossa rotina no Stories e sempre tem alguma dica. 😉

Oi, mulherada!

Hoje vou contar para vocês um pouco mais sobre as mudanças que fiz na minha alimentação nos meses que antecederam a meia maratona com a orientação da dra. Luciana Corrêa, nutróloga da Integrata Saúde – e que, como vocês já sabem, me renderam uns quilinhos a menos! Uhu! 😉

Desde o meu casamento eu não conseguia baixar o ponteiro da balança, que estava estacionado nos 69, 68 quilos. Por um lado foi bom, porque manter por dois anos o peso que perdi desde que comecei a correr e, especialmente, durante o noivado é sinal de que meu corpo se adaptou à nova realidade – e olha que fui dos 75 kg para os 69 kg. Por outro lado, eu começava a acreditar que nunca mais voltaria ao peso dos meus 20 e poucos anos (na casa dos 64 kg).

No meu aniversário em 2012, antes de começar a correr; no meu casamento em 2014, 6 kg mais magra; e no casamento de uma amiga no final de outubro, com mais 3kg eliminados

No meu aniversário em 2012, antes de começar a correr; no meu casamento em 2014, 6 kg mais magra; e no casamento de uma amiga no sábado passado, com mais 3kg eliminados.

Uma das minhas maiores dificuldades sempre foi baixar meu porcentual de gordura corporal, que estava ali beirando os 30%. A corrida é uma ótima aliada no emagrecimento, especialmente quando a gente passa a aumentar as distâncias (treinar para uma meia maratona, por exemplo). Mas sem se alimentar corretamente o resultado pode ser um pouco diferente do esperado: perdemos peso, só que, nesses quilinhos a menos, não tem só gordura, não… Tem massa magra também!

Uma vez que consegui organizar os horários das minhas refeições e entender melhor os sinais de fome e saciedade do meu corpo, identificamos, dentro do Programa On Run, que eu precisaria começar a suplementar também e aí passei a me consultar com uma nutróloga e não mais com a nutricionista.

A principal diferença é que, por ser médica, a nutróloga pode prescrever medicamentos – no meu caso, não usei inibidores de apetite ou algo do tipo, mas a maior parte dos suplementos que tomo é manipulada. Assim, tenho uma fórmula personalizada para suprir as vitaminas e minerais que estão em falta no meu corpo,  de acordo com meus objetivos e também com os resultados dos meus exames de sangue. E põe exame de sangue nisso: foram 17 páginas! Nunca fiz um exame de sangue tão extenso em toda a minha vida!! rs

O cardápio não mudou muito nesses dois meses que antecederam a meia, o que mudou mesmo foi a inclusão da suplementação, em especial antes e depois dos treinos. E deu para perceber diferença: senti mais energia durante a atividade física, menos fome depois e uma recuperação mais rápida entre um treino e outro. Isso me ajudou a manter a dieta com mais regularidade e…

ju-vargas-peso-out2016

Histórico da composição corporal

…consegui sair da casa dos 68 quilos! Nem acreditei, mas perdi 3,3 kg em pouco mais de dois meses. 🙂

Vocês vão notar que tem diferença aqui em relação às balanças que postei no resultado do desafio porque 1. a balança do consultório é bem mais precisa que a da farmácia; e 2. no consultório eu me peso só de calcinha e camiseta, bem diferente da farmácia, em que nem tiro o sapato, né! Hahahaha… Mas comparando as pesagens de um mês com o outro, tem essa mesma queda de um quilo nas duas balanças (entre setembro e outubro).

O único aspecto negativo é que… olha a massa magra caindo ali! Pois é, ainda estou com dificuldade nessa parte e, junto com a dra. Luciana, identificamos o provável vilão: o anticoncepcional. Sei que isso deve deixar muitas de vocês curiosas, então farei um post mais completinho sobre o tema depois.

Além disso, como meu volume de treinos de corrida vai diminuir nos próximos meses, com menos quilômetros por semana, mudamos a dieta para focar no meu novo objetivo, que é fortalecimento. Ou seja, menos carboidratos e mais proteínas. Daqui dois meses volto ao consultório para avaliar os resultados e depois venho aqui no blog relatar para vocês como foi essa nova etapa.

Enquanto isso, vocês podem acompanhar um pouco do nosso dia a dia e do #DesafioRJR2016 (que continuamos firmes e fortes até o fim do ano) no Instagram e no Stories do CM. 😉

Bora treinar e comer direitinho para fortalecer e correr ainda melhor em 2017!

parceiro-integrata