No Corrida da Leitora de hoje, trazemos a história da Gabi Delgado, que tem 30 anos, é analista de sistema e após perder 25 quilos, decidiu correr por incentivo do marido que já corria há um tempo, por que emagrecer estava bem difícil!

***

10978701_444637519018042_965742256356531603_n

Vim aqui hoje pra dizer o quanto a gente se sabota no dia a dia. O quanto achamos que não conseguimos conquistar determinadas coisas e nos colocamos pra baixo sem saber realmente o potencial que temos quando realmente queremos algo.

Passei muitos anos da minha vida me colocando pra baixo, achando que fosse incompetente, achando que eu não poderia mudar minha vida. E pois é, eu saí do sofá, e ainda assim, com 30 quilos a menos, ainda duvidava do meu potencial. Até ontem.

Depois de dar uma diminuída nos treinos de Jiu-Jitsu (hehe, sou adepta da modalidade há três anos, faixa azul e faço aulas de defesa pessoal para mulheres) e intensificado a corrida, senti que ainda assim, depois de ter perdido 30 quilos ainda precisava de um estimulo maior. Comecei correndo 2, 3 e cheguei a 5km e 10923408_442879722527155_412947828678870471_odesde março de 2014 correndo nessa distância e achei que tudo estava ficando chato, monótono e sem graça. Tenho que admitir que eu não gostava de correr. O que aprendi com a corrida foi a sensação de poder me desafiar sempre, colocar metas e ir pra cima de cada uma delas. E nada de metas agressivas. Comecei com 2k, sempre acrescentando dificuldades leves que eu sabia que poderia cumprir e assim foi. Até que eu decidi me colocar em teste, achando sempre que não poderia, aí que eu entendi que estava me minimizando.

5k já estava confortável demais, terminava as provas muito confortável, mas em momento algum acreditei que poderia ir além. Até que um dia isso mudou. Coloquei o tênis no pé, e fui. 1, 2, 3, 4… 10!

Lembra que eu disse que não gostava de correr? Sim, realmente não gostava mesmo do ato de correr. O meu prazer eu encontrava assim que cada corrida e treino terminava. O suor escorre, as lágrimas caem por ter conquistado mais um degrau. Esta é a sensação boa que a corrida me proporciona e creio que coisa nenhuma na vida me deixa tão satisfeita do que o prazer de ter superado mais um limite.

Eu corri meus primeiros 10k em um treino. Meu tempo foi de 1:17:40 e o tempo é o que menos importa quando eu decido correr, seja pra espantar a preguiça, tpm ou cólica. Eu corro porque agora eu sei que EU POSSO! E chega de me minimizar. Agora vou trabalhar em cima daquilo que eu tenho certeza que eu consigo: superação. Fiz em Novembro minha primeira prova de 10k, o Circuito Athenas em SP. Corri em 1:15h e agora que venha minha primeira prova de 15k, a meta desse ano é correr a São Silvestre, e quem sabe, 2016 correr 21k na Golden Four? Porque como dizem: “Missão dada, é missão cumprida!”.

Hoje, a corrida me proporciona mais que um estado de espírito positivo, me dá a liberdade de escolher o que eu quero fazer porque sei que sou capaz. Com 39 quilos a menos, acho que hoje gosto de correr sim!

A Corrida da Leitora é um espaço para compartilhar histórias, conquistas, superações, dicas e muito mais! Quer participar? Preencha o formulário e entraremos em contato.

Hoje a leitora Gabriela Pilotto nos conta quais as diferenças de correr em Berlim e em São Paulo.

***

Correr no Brasil x Correr em Berlim: Existem diferenças para o corredor?

Por Gabriela Pilotto

foto1

Para os apaixonados por corrida correr sempre será correr, não importa o lugar onde estamos nesse mundo afora, sempre sentimos a mesma sensação de liberdade e de prazer, em estar fazendo aquilo que gostamos.

Considero Berlim uma cidade dos sonhos para os corredores, é uma cidade extremamente plana, com calçadas largas, com parques lindos, com natureza para todo lado e com muitos monumentos históricos para admirar. Como exemplo o Tiergartem, que é o maior parque de Berlim, o rio Spree que corta berlim de ponta a ponta, correr pela beira do rio Spree, ou então correr no Jardim do Castelo de Charlottenburg, e passar próximo do Portão de Bradenburger… Enfim o que não faltam são opções de lugares incríveis para correr, além de ser muito fácil sair correndo pelas ruas de Berlim.

Eu sempre fui apaixonada por correr em São Paulo na USP, no Parque Ibirapuera e na Av. Sumaré, pois a atmosfera para correr nesses ambientes de São Paulo é algo muito contagiante. Em Berlim não existem lugares específicos com concentrações de atletas, apesar de também existirem parques e pistas de corridas em vários cantinhos da cidade.

No verão Berlim respira corredores por todas as partes e bairros, são corredores de todas as faixas etárias e de todos os estilos. Aqui eles valorizam muito o verão, porque são no máximo 4 meses do ano.

Um fator relevante aqui em Berlim são as temperaturas climáticas que variam muito ao decorrer do ano (frio/ chuva/ neve/ calor), mas mesmo com tudo isso as pessoas saem para correr. A chuva e o frio não assustam e nem espantam os apaixonados pela corrida em Berlim.

Faço aqui um convite para você corredora, quando for visitar Berlim, não esqueça de colocar o seu tênis na mochila! Será inesquecível uma corridinha em Berlim.

A Corrida da Leitora é um espaço para compartilhar histórias, conquistas, superações, dicas e muito mais! Quer participar? Preencha o formulário e entraremos em contato.