Como não poderia faltar nesse dia especial, um post/dicona especial para as mamães corredoras. 😀

Desde a primeira corrida oficial do Corre Mulherada (M5k em outubro de 2012), tenho me deparado com algumas cenas muito bacanas para mim: o de mulheres correndo com seus bebês em carrinhos!

Carrinho de corrida1

Confesso que às vezes, quando bate aquela preguiiiiiiiça, a “consciência esportiva” faz questão de me lembrar dessas mães, que arrumaram um jeito para não deixar de correr. É o que diz aquela frase postada há uns dias na nossa fanpage no Facebook (curte lá!): “…porque quando a gente quer mesmo, a madrugada vira dia, a quarta-feira vira sábado e um momento vira oportunidade.”

Dando uma pesquisadinha para o blog, vi que já existem carrinhos adaptados e que oferecem segurança para as mamães correrem sossegadas com seus filhotes. Infelizmente, esses carrinhos não tem um preço muito amigo (R$ 1.399,00 na Alô Bebê), mas caso você acha que vale o investimento, se joga!

Carrinho de corrida2

Algumas dicas devem ser levadas em consideração antes de se aventurar a correr com seu bebê, como:

Escolha do modelo correto: não é qualquer carrinho que pode ser usado para correr. O carrinho comum tem rodas menores, além de serem giratórias, o que é perigoso por ter grandes (ENORMES!) chances de causar um acidente. Como podemos ver nas fotos, os carrinhos apropriados para corrida são em forma de triciclo (uma roda na frente e duas atrás), além das rodas serem maiores. Para sua segurança e do bebê, escolha modelos que tenham freios, cinto de segurança de 3 ou 5 pontos e amortecedores. Se ainda tiver dúvidas no momento da compra, peça ajuda para o vendedor.

* UPDATE: a Mari (da equipe do Corre Mulherada) deu uma super dica nos comentários: “Outra coisa que é importante e não foi citado é que o apoio para segurar o carrinho tem que ser mais alto do que o comum (principalmente para as mães altas), e por isso não podemos usar um carrinho comum pra correr. Se usar estará prejudicando a coluna, além de ser mega inseguro pro bebê. Na hora de comprar o carrinho pra corrida tem que ficar atenta a isso, pq tem carrinhos de corrida que o apoio é baixo (usabilidade zero). Acho essencial testar o carrinho antes da compra, na maioria das lojas você pode pedir pra dar uma corridinha dentro da loja mesmo e ver se é bacana, como o investimento não é pequeno é essencial fazer isso pra não se arrepender depois e ficar com mais um trambolho em casa, rs. ;P”

Idade do bebê: deve-se ter no mínimo 6 meses. Antes disso, o bebê não estará pronto para as possíveis oscilações da pista/terreno, além de não possuir a sustentação músculo-esquelético para se manter na posição correta no carrinho.

Postura: inicialmente, empurre o carrinho com as duas mãos (de preferência próximas aos freios) e quando sentir necessidade, reveze com uma das mãos. Se precisar frear, que seja de forma gradual. Levando-se em conta que vai levar além de seu peso, o do bebê e do carrinho, o ideal é fazer um alongamento caprichado após a corrida. É aconselhável treinar antes, com o carrinho vazio. Se for sua primeira corrida com o bebê, melhor caminhar antes, sentir bem o terreno para depois começar a dar leves trotes. Lembre-se que quanto maior a velocidade, menor o controle. Portanto, cuidado!

Local: a escolha do local é mais do que um item de segurança. Se para corredores (que levam somente a si próprios) um terreno irregular é perigoso, imagine levando um bebê. Dê preferência a pistas de corrida, ou parques com terrenos regulares. Nada de se aventurar nas ruas esburacadas de nosso Brasilzão! Por motivos óbvios, não treine subidas e descidas. Evite usar ipods ou aparelhos MP3 (a não ser que as músicas estejam baixiiiiiiiiinhas), pois assim ficará atenta à tudo o que acontece na rua.

Tomando o cuidado necessário, levando em conta o seu bem estar e do bebê, tenho certeza que você vai curtir muito esse momento! Quem sabe, em alguns anos, ele(a) estará participando de provas junto com você? ♡

horario_treino

Deus ajuda quem cedo madruga…

Juro! Toda vez que escuto essa frase tenho vontade de retrucar à altura e dizer para o infeliz que escutou isso da avó que se isso fosse verdade padeiro nunca queimava o pão hehe. Bem, brincadeiras à parte, já deu pra notar que umas das coisas que mais detesto nessa vida é acordar cedo. Mas conheço várias pessoas que amam madrugar acordar cedo e afirmam que começam o dia com muito mais disposição. Inclusive, de toda a mulherada aqui do blog acho que sou a que nunca levando cedo pra treinar hehe

Acontece que não adianta, organismo é organismo e cada caso é um caso. Já tentei de tudo pra conseguir acordar cedo para fazer atividades físicas e é mais do que preguiça, infelizmente não dá… Não para mim! E de verdade, gostaria muito de conseguir acordar cedo, pois há várias vantagens pra quem tem esse hábito que vão além de ver o lindo amanhecer do dia entre os arranha-céus da cidade.

Quem treina pela manhã tem o benefício de acelerar o organismo no decorrer do dia, pois a recuperação do corpo é melhor. Afinal, as refeições que farão a reposição das energias estão marcadas para acontecer ao longo do dia, após as atividades físicas. Só é preciso ficar atento com a alimentação antes dos treinos matinais para não comer de forma incorreta e passar mal durante o treino. Durante os treinos o consumo de glicose no nosso corpo é maior, e se a pessoa estiver mal alimentada além de não ter um rendimento muito bom, pode ocorrer hipoglicemia. Portanto, tome aquele café da manhã equilibrado com pelo menos uma hora de antecedência aos treinos, e não se esqueça de que o corpo precisa de tempo para digerir os alimentos. Nos treinos matinais combine carboidratos, proteínas, fibras e gordura.

 Já quem treina à tarde tem a vantagem de fazer seu treino com mais força. Isso porque diversos fatores metabólicos colaboram para o aumento da potência corporal durante esse período. Porém, essa maior energia acaba sendo mais bem aproveitada para exercícios anaeróbicos, como musculação, e não para corrida. A não ser que você esteja treinando tiros curtos, que exigem explosão muscular.

Agora, se você é como eu, que adoro fazer exercícios durante a noite, precisa conhecer a capacidade do seu corpo de “desacelerar”, pois enquanto algumas pessoas conseguem treinar, tomar um banho e já dormir, outras correm o risco de ainda ficarem acordadas durante um bom tempo, devido à liberação de grande quantidade de endorfina que a atividade física proporciona. Uma super dica é depois do treino sempre fazer um bom alongamento e respirar de forma profunda e lenta. Essas medidas servem como um recadinho para o seu corpo: “Ei, tire o pé do acelerador”!

Outro porém dos treinos noturnos diz respeito à alimentação. À noite, é preciso equilibrar bem a quantidade e qualidade dos alimentos ingeridos, pois caso contrário o corpo pode gerar durante o sono um estoque de energia na forma de gordura, o que vai contra os objetivos de quem está treinando para perder peso ou manter a forma. Ou seja, não coma mais do que seu treino exige e não durma de barriga cheia =P.

Mas se a sua vida é, digamos, muito corrida rs, e você não tem um horário fixo para treinar, não se preocupe. A variação do horário dos treinos não prejudica o rendimento, desde que você respeite as suas características em cada horário.

E você, como costuma fazer? Conta pra gente como são os seus horários de treinos! =)