lesoescorridas

Todas nós aqui sabemos o quanto corrida é viciante, e atualmente o número de adeptos do esporte vem crescendo muito. Já falamos aqui no blog dos exames necessários para quem pretende praticar o esporte e de várias dicas para melhorar o desempenho nos treinos. Hoje vamos falar de alguns cuidados relacionados à corrida e às famosas lesões que, segundo ortopedistas e fisioterapeutas, são muito comuns em atletas que praticam essa atividade física sem estarem nas condições físicas ideais.

Alguns dos fatores que influenciam as lesões são: obesidade, excesso de treinamento, vestimenta errada, pistas irregulares, ruas esburacadas e método de treinamento inadequado. É muito comum a gente se empolgar com a nossa evolução, e em pouco tempo já achamos que estamos prontas para avançar alguns quilômetros hoje, outros quilômetros amanhã, e sem uma orientação rigorosa isso pode arruinar nossos treinos. O processo da corrida é longo, e paciência e disciplina devem ser nossas aliadas durante os treinos, portanto vamos com calma, ninguém é de ferro e temos tempo suficiente para alcançarmos belos tempos nos muitos quilômetros que estão por vir.  😉

A partir de dados extraídos da revista digital Mais Equilíbrio do site Terra, fiz uma listinha de lesões comuns que podem surgir se não estivermos nas condições básicas necessárias para um bom desempenho nos treinos:

Fascite plantar: inflamação da fáscia plantar (tecido fibroso que liga o calcanhar aos dedos). Causas: pisar forte com o calcanhar, correr em superfícies duras e tênis inadequado.

Canelite: inflamação dos tendões e músculos ao redor da tíbia ou do tecido que a recobre. Causas: correr em solo irregular, aumentar a distância do percurso desordenadamente, pisar com o pé voltado para dentro (pronação) durante a corrida.

Metatarsalgia: inflamação dos tendões que ligam o músculo a estrutura óssea, na área superior do pé. Causas: tênis inadequado, pronação excessiva, treinamento excessivo.

Condromalacia: corrosão da rótula e sua cartilagem inferior. Causas: pronação excessiva do joelho causando acomodação imprópria da rotula, músculo quadríceps fraco ou com lesão.

Fraturas por estresse: microfraturas nas extremidades inferiores do perônio e tíbia (ossos da perna) metatarsos e fêmur. Causas: treinamento excessivo, percursos longos, rigidez nos tendões.

Tendinite de Aquiles: inflamação no tendão que liga o músculo da panturrilha ao pé atrás do calcanhar. Causas: treinamento intensivo, percursos longos, tênis impróprio, pernas arqueadas e rigidez muscular.

Instabilidade ligamentar do joelho: lesões dos ligamentos adjacentes do joelho. Causas: pisar errado em terreno irregular, distensões e deformidades nos pés.

Joanete: protuberância óssea na parte externa do dedão do pé indicando inflamação local. Causas: herança genética, pronação excessiva, sapatos apertados.

Entorses de tornozelo: ruptura total ou parcial dos ligamentos ou ainda hiper extensão dos ligamentos externos. Causas: solo irregular ,tênis inadequado e mal calçado,desequilíbro muscular.

Podemos tomar algumas atitudes preventivas para evitar estas lesões, como: usar tênis adequado e compatível ao esporte, usar roupas leves, ter uma alimentação balanceada, passar por uma avaliação física e ortopédica, correr em locais onde o terreno esteja liso e sem obstáculos, treinar de acordo com nossa atual capacidade física, fortalecer a musculatura caso ocorra um desequilibro muscular e fazer aquecimento prévio com alongamentos antes e depois de treinar. Aqui no blog a gente sempre está batendo na tecla de seguir rigorosamente estas dicas, mas dada a extrema importância que elas têm, nunca é demais repetir. Assim, você já começa a treinar evitando as lesões.

 

Está de bobeira neste sábado? Que tal aproveitar para colocar a leitura em dia? Hoje vamos dar uma dica de livro para quem quer se maravilhar ainda mais com o mundo das corridas: Nascido para correr (Born To Run), do jornalista e corredor norte-americano Christopher McDougall.

born-to-run-capaBRSinopse: Mesmo depois de distender repetidamente o tendão de Aquiles, de torcer os tornozelos e de ouvir de um médico “você pode continuar a correr, mas é melhor comprar uma bicicleta”, Christopher McDougall não queria abandonar o esporte. Foi quando ele descobriu a tribo tarahumara, no México, e seus superatletas, que participam de maratonas e chegam inteirinhos no fim da corrida. Para desvendar o segredo deles, saiu em uma aventura pelo deserto. Encontrou personagens incríveis e aprendeu com os nativos a correr descalço quilômetros sem se machucar. Ao final, chefou à conclusão de que o homem, desde os seus ancestrais, nasceu para correr.
Editora:  Globo
ISBN: 9788525048486
Número de Páginas: 383

A primeira vez em que entrei em contato com este livro, eu trabalhava na Editora Globo. Minha editora é corredora e não teve dúvidas em publicar este livro no Brasil (sim, trabalhei na edição dele). Já eu ainda achava que nunca iria correr na vida porque não tinha o menor jeito para esportes. Não fazia a menor ideia do que era 5k ou 10k, mas soava difícil, cansativo e chato. Considerando tudo isso, ler sobre ultramaratonas de mais de 160 quilômetros e dias inteiros de duração parecia coisa de gente louca! Posso dizer que, na primeira vez em que li esse livro, tive um olhar de produtora editorial e não de curiosa sobre o assunto, muito menos de corredora.

Mas, como diz uma das minhas melhores amigas, o ciclo da vida é: nascer, crescer, pagar a língua e morrer. Hehehehe… Hoje, estou aqui com duas corridas de 10k agendadas até o fim do ano. E nesse meio tempo, claro, tive que reler Nascido para correr. E foi algo totalmente diferente – e surpreendente! Agora já estou pensando em colocar como meta correr uma maratona pelo menos na vida! Hahahaha…

McDougall é mais que um jornalista experiente: ele é um contador de histórias nato. Não tem como você não se envolver com todo o desenrolar da trama. Começa com ele caçando Caballo Blanco no meio do deserto mexicano, um homem que mais parece ser uma lenda. E esse encontro muda toda a perspectiva de McDougall sobre a corrida e até mesmo sobre a evolução do homem. Pode parecer ambicioso (ou propagandista), mas não é. É isso mesmo que acontece!

born-to-runAtleta com tênis de corrida x Tarahumara com sandalinha de dedo. Quem vence? Rá!

Para quem gosta daqueles programas da Discovery, este livro é um prato cheio. Vamos conhecer os tarahumaras, uma tribo isolada no México que segue o mesmo estilo de vida desde 1600 – o que incluiu uma dieta exótica e percorrer longas distâncias quase diariamente. Também aprendemos sobre a teoria evolucionária do Homem Corredor, que tenta explicar como a humanidade conseguiu caçar por muito (muuuuito) tempo mesmo sem ter armas e porque uma espécie tão mais fraca (e lenta) conseguiu superar todas as demais e povoar o planeta inteiro. E também hipóteses para o fato de o homem ter corrido por anos e anos praticamente descalço sem problemas e agora, mesmo com toda a tecnologia dos tênis de corrida, é quase impossível encontrar um corredor que não tenha sofrido uma lesão sequer. Por fim, vamos acompanhar uma ultramaratona nos confins do México, que reuniu tarahumaras e alguns norte-americanos “malucos”.

born-to-run-CORRIDAEssa corrida é a melhor parte do livro!

Se eu ainda não te convenci a dar uma chance para este livro, nada melhor que o próprio autor falando sobre ele. Tem uma participação do McDougall em um TEDx que vale o play (com legendas em português):

Sim, mulheres foram feitas para percorrer longas distâncias e não para serem velocistas! Quer mais motivo para aumentar os quilômetros dos seus treinos?! 😉

E eu, que amo andar descalça, estou quase comprando um desses calçados mínimos. São feios e esquisitos, eu sei!  Mas a ideia de correr praticamente descalça é muito tentadora para mim!

Avaliação: regua_avaliacao_5

Compre o livro: Americanas.comSaraiva.com.brLivraria CulturaShoptimeSubmarino