Equipe 4any1 na Volta à Ilha (Divulgação)

Equipe 4any1 na Volta à Ilha (Divulgação)

No último sábado, 16 de abril, aconteceu a 21ª edição de uma das maiores provas de revezamento da América Latina: a Volta à Ilha em Florianópolis, SC. A prova dura o dia todo e passa por diversos tipos de terrenos (asfalto, areia dura, areia fofa…), com um percurso total de 140 km! Sem falar no calorão que fez no Brasil inteiro no último fim de semana. Não é moleza, não…

A 4any1, assessoria esportiva parceira do blog, participa dessa prova há 15 anos. Para 2016, eles montaram uma equipe para a categoria Aberta Mista mesclando alunos e professores, e uma das selecionadas para esse time campeão foi a querida Ana Rejane, que faz as aulas de Cross For Any Body comigo no Parque do Povo. E quando digo campeão, não é à tôa: a equipe da 4any1 foi a 8ª colocada entre 66 times da categoria, completando a prova com tempo total de 12h41min. Uau!

Lógico que pedi para a Aninha contar um pouco mais como foi participar desse desafio aqui no blog. Quem sabe você está pensando em encará-lo em 2017?! 😉 No final, ainda tem algumas dicas do nosso treinador Eduardo Barbosa para você se preparar e montar a sua equipe em provas de revezamento desse estilo.

A experiência da Aninha

Aninha preparada para a prova (Reprodução Instagram)

Aninha preparada para a prova (Reprodução Instagram)

Bom… Tudo começou em setembro de 2015, quando o meu treinador, Eduardo Barbosa, me fez o convite para participar da Volta à Ilha de 2016 em sua equipe. Achei que fosse brincadeira, mas aceitei e peguei firme nas planilhas de corrida e nos treinos funcionais para fortalecimento e resistência, o que me ajudou muito.

Faltando 30 dias, a ansiedade começou a tomar conta. Como quase toda mulher é ansiosa, tive também que fazer outro trabalho (de controlar a ansiedade!) para não estragar tudo. O marido resolveu me acompanhar para me dar um apoio, o que achei ótimo, e quando chegamos em Florianópolis eu não acreditava que era real. Sempre achei que fosse uma prova muito difícil e que não estivesse ao meu alcance. Era um sonho que estava realizando!

O meu primeiro trecho foi de asfalto (9,8 km), concluído em 55 minutos, com quatro subidas de matar. O segundo trecho foi areia fofa: 5,5 km debaixo de sol de 33 graus, às 13h30 da tarde. Insano e desumano. Concluí em 31 minutos.

Me senti tão realizada que faria tudo novamente. 🙂

Olha a medalha, que linda! (Foto da Aninha)

Olha a medalha, que linda! (Foto da Aninha)

Dicas do treinador para provas de revezamento

O Eduardo Barbosa é treinador de corridas da 4any1 e participa da Volta à Ilha desde 2010. Se tem alguém que entende os desafios dessa prova, seja como corredor, seja como treinador, é ele! “Uma curiosidade que, para mim, é o diferencial da prova é que em sua organização ela conta somente com profissionais de Educação Física, desde o presidente ao staff, composto por estudantes das faculdades da região”, destaca Edu. “Após três anos e boas colocações na categoria Participação, resolvi montar uma equipe que entraria na categoria Aberta Mista, que é onde a elite participa. Em 2014, conquistamos a quinta colocação, até então a melhor posição que uma equipe amadora e da assessoria alcançou na prova.”

Equipe da 4any1 em um dos pontos de troca (Divulgação 4any1)

Equipe da 4any1 próximo a um dos pontos de troca (Divulgação)

Só de ler sobre a prova, a gente já percebe que não é simples montar uma equipe e se preparar para ela. São muitos os detalhes que não cabem em um post só, mas pedimos para o Edu enumerar alguns tópicos mais importantes. Anote aí:

  1. Ao montar o time, é importante analisar o perfil de cada corredor convidado.
  2. Procure ter corredores com as mais diversas especialidades de terrenos e distâncias. Diversifique!
  3. Os corredores devem, obrigatoriamente, possuir uma característica-chave: saber trabalhar e correr em grupo.
  4. A vaidade, famosa entre os corredores, aqui não serve para nada. Você pode até ser fera no asfalto, mas correndo em dunas terá a mesma velocidade? Obviamente que não!
  5. Cuide da logística da prova. Carro principal e carro de apoio devem trabalhar juntos na distribuição dos atletas nos postos de troca. Na minha equipe, tive uma pessoa que não corria e era encarregada somente disso.
  6. Realize a distribuição dos trechos levando em conta as características do corredor, sua especialidade e também se tem resistência e perfil sociopsicológico para horas e horas de prova com dois trechos mínimos para correr, geralmente um pela manhã e outro à tarde.
  7. Tenha um líder para as tomadas de decisões importantes. Vale, inclusive, ter na equipe alguém que já fez a prova.
  8. O treinamento deve seguir uma periodização normal, especificando nas 16 semanas que antecedem a corrida. Procure treinar em terrenos parecidos aos que irá enfrentar e próximo dos horários em que você irá correr.
  9. Florianópolis é linda, mas terá melhor resultado a equipe que se concentrar para um melhor rendimento esportivo. (Ou seja, melhor deixar os passeios pela cidade para o pós-prova 😉 rs)
  10. Por fim, divirta-se – e muito! Esta prova é, por si só, desafiadora e está na lista das provas que se tem que fazer uma vez na vida se você gosta muito de corridas de rua, montanha e aventura, pois ela é tudo isso e muito mais!

E aí, deu vontade de encarar a Volta à Ilha ou outra prova de revezamento nesse estilo? Conta pra gente nos comentários! E se tiver dúvidas, pode perguntar que o Edu responde depois. 😉

Bons treinos e boas provas a todos!

post_parceiros_4any1_2015

Deixe o seu comentário!