Para celebrar o lançamento do Nike Air Zoom Pegasus 34, tênis que aproveita algumas das tecnologias desenvolvidas para o projeto Breaking 2, a Nike nos convidou para correr no Speedland, um kartódromo que fica no bairro do Tatuapé, em São Paulo (do lado de casa! rs). E como todo mundo queria acelerar na pista, nos dividimos em equipes para uma competição de revezamento – foi bem divertido! 🙂

E ainda gravamos esse videozinho mara!! 😀

Ficou muito massa, não?! Adorei! rs

Se correr no asfalto não é nenhuma novidade para a maioria dos corredores, tem um detalhe importante em uma pista de kart que não estamos tão acostumados assim: elas são cheias de curvas, algumas bem fechadas! Então, além de testar o novo tênis – que vai ganhar uma resenha detalhada aqui no blog logo mais –, nós também aprendemos algumas dicas com a Milena Preter, coach do NRCSP, de como acelerar e desacelerar com segurança nos trechos mais sinuosos do percurso. 😉

Claro que não podia deixar de compartilhar essas dicas com vocês, né? Afinal, quem nunca sentiu uma raivinha quando percebeu que perdeu velocidade depois de uma curva inesperada?! 😛 Hahahaha…

A primeira dica é aquecer bem o corpo, por pelo menos de 15 a 20 minutos antes de começar a correr. “Sem esse aquecimento, fica inviável começar o treinamento, que pode provocar lesões ou fornecer algum incômodo durante o exercício. Toda cautela no início do treinamento de pista é pouca, e isso deve ser um ponto muito importante para todos os corredores que desejam treinar e se tornar melhores”, ressalta Mi.

Outra preocupação é com relação ao tipo de tênis que você vai usar. “Para treinos de velocidade, o mais indicado é usar um calçado voltado para treinos em pistas, que deem impulsão e boa estabilidade”, orienta a treinadora. “A pista favorecerá a sua impulsão durante a corrida, tornando o exercício mais veloz. Para alguns corredores que estão começando, isso pode ser um perigo e comprometer o tornozelo e outras articulações.”

Respeitar o ritmo proposto do treino e não tentar fazer mais do que foi pedido também é um ponto que deve ser analisado. “Os corredores iniciantes podem se sentir ansiosos para correr a mais uma repetição de um treino na pista, fazendo com que o corpo se desgaste além do que poderia. O ritmo certo e o treino certo quem define é o seu treinador; caso você não tenha, monte algo de acordo com o seu nível e objetivos, ao passo de que também é possível fazer treinos longos e regenerativos em um terreno como esse”, explica Milena.

Para os corredores mais experientes, o processo de acelerar e desacelerar nas curvas acaba sendo automático, a medida que é algo gradual. Já os corredores iniciantes devem tomar o máximo de cautela no início do treinamento para assimilar todo esse processo e fazê-lo sem que haja sobrecarga nos músculos. “Ao entrarmos em uma pista com muitas curvas, alguns metros antes, já começamos a desacelerar e diminuir a mecânica. E, com a mesma velocidade que o corredor desacelerou, ele deve acelerar gradualmente até assumir a velocidade anterior à curva. Não há uma aceleração nem desaceleração brusca”, orienta Mi.

Muitos corredores erram nas curvas porque acabam acelerando no momento errado. “O ideal é que haja um desaceleramento na curva, uma vez que elas devem ser feitas com um ritmo mais lento. Isso ajudará o corredor a não se sentir fadigado ao final da curva e voltar ao ritmo certo quando entrar novamente em um sentido reto.”

Conhecer o percurso e o exercício que você fará com antecedência é outra dica da treinadora. “Ao conhecer o percurso, você se prepara mentalmente, montando uma estratégia para encarar cada parte dele. É esse conhecimento que fará com que você esteja ciente dos momentos certos para acelerar, desacelerar, ampliar a mecânica dos movimentos ou parar, e também quais ritmos utilizar durante o treinamento”, explica. “Quando o percurso é conhecido, o corredor leva mais vantagens porque sabe exatamente o que fazer e como fazer.”

Espero que com essas dicas vocês possam encarar as curvas sem medo de perder o ritmo! 😀

O título do post foi inspirado no que a Ju fez há um tempo atrás. E hoje vim contar um pouco como está minha rotina de treinos, como tenho consigo, ou tentado manter os treinos.

Eu e minhas companheirinhas de sempre <3

Apesar de lermos, conversarmos e falarmos, quando nos tornamos mãe é que realmente sabemos o quanto isso impacta em todas as áreas da vida. É um giro de 360° e muitas vezes a gente acha que as coisas vão começar a engrenar e vem algo que vai lá e lembra que cada dia pode ser uma dia, por mais que você tenha feito um planejamento, adiante as coisas e pense em todas as variáveis.

E ao longos desses 2 anos e 4 meses desde que a Alice nasceu, eu fui aprendendo isso. Depois com a Melissa se intensificou mais e ainda sigo aprendendo muitas coisas e me adaptando. Se elas ainda tem muito a aprender do mundo, eu ainda tenho muito o que aprender na maternidade. Cada fase te exige algo.

Esses primeiros parágrafos, foram para explicar, como acabei internalizando de verdade a frase: feito é melhor que perfeito. Super clichê, mas é verdade. Por muito tempo, eu quis treinar em horários super cedo, fazer um número de treinos x por semana, tentar a todo custo alcançar alguns objetivos e onde eu terminei? Me frustrando, eu já falei no blog sobre isso, neste post.

Após mais um treino

Depois daquele post, segui treinando, mas muitas coisas aconteceram novamente e tive que me reinventar, mais trabalhos, as meninas me pedindo mais atenção e eu não consegui sair para treinar todas vezes que eu queria. Fomos seguindo assim, até que depois de tentar, tentar e tentar encaixar os treinos, eu parei e revi, toda a minha rotina.

Por aqui, as meninas ficam na parte da manhã comigo e vão depois para a escola, eu trabalho na parte da tarde em casa e alguns dias preciso sair. Aos finais de semana, nem sempre é fácil encaixar os treinos, as meninas exigem atenção e fica complicado. E para somar a tudo isso, eu não consigo acordar super cedo ainda, tipo 5 ou 6h, elas ainda acordam algumas noites e assim seguimos, com um cansaço que acho que me acostumei já rs, mas que me impede ainda de levantar muito cedo da cama.

Depois de analisar esses pontos, eu sentei e montei o meu plano. E o resultado foi minha rotina-alvo e a rotina possível. No momento, estou na minha rotina possível, que é correr 3 vezes por semana e alguns dias consigo encaixar a musculação, logo depois que deixo elas na escola. É corrido? Super! Mas é o que tenho conseguido fazer no momento. Vou rapidinho, treino e vamos seguindo assim.

Um degrau de cada vez, sempre!

Estou bem satisfeita que neste último mês, não pulei nenhum treino (VIVA!), embora tenha ajustado alguns dias. Estou bem feliz, que vejo que estou evoluindo novamente na corrida e estou aos poucos caminhando para meu objetivo maior que ainda não tem data definida 100%, mas completarei neste ano!

Para maio, o que eu quero e tenho adiado horrores é começar uma reeducação alimentar e chegar no peso que desejo. Ontem fui na feira e adiantei as refeições da semana, vamos ver como vou me sair, se este mês eu terminar comendo direito, já estarei bem satisfeita. 🙂

E como é por aí? Como vocês equilibram todas as áreas da vida? Compartilhe nos comentários, vamos trocar experiências. 🙂