Debs no lançamento de seu livro "Num piscar de olhos" (Cortesia Assessoria de Imprensa)Debs lindíssima no lançamento de seu livro em São Paulo

Ontem (15 de julho) aconteceu aqui em São Paulo o lançamento do livro Num Piscar de Olhos, em que a querida Debs (Déborah Aquino) fala sobre sua luta contra o câncer – e sobre corrida também, claro! O título do livro foi escolhido porque ela compreendeu que toda a vida pode mudar, literalmente, nessa fração de segundos.

A Debs é apaixonada por corridas e corre há 12 anos! Foi pouco depois de sua primeira maratona que ela recebeu o diagnóstico do câncer de mama e, então, decidiu aplicar tudo o que aprendeu durante a longa preparação para os 42k também na forma de encarar o tratamento. “Fui treinada para pensar em um quilômetro de cada vez, afinal, não se sabe como o corpo responde, não se corre 42 quilômetros. Quando soube que iria fazer quimioterapia, foi a primeira coisa que pensei. É, outra vez, uma coisa desconhecida, não sei como meu corpo vai reagir, mas tem uma linha de chegada, assim como na maratona!”

Debs em sua primeira maratona (Arquivo pessoal) Debs na Maratona de Boston 2015 (Arquivo pessoal)
Debs na sua primeira maratona, antes do diagnóstico, e em Boston este ano

Aproveitamos a ocasião do lançamento para bater um papo rápido com a Debs para saber um pouco mais sobre o livro:

Nós te acompanhamos e sabemos que, após o diagnóstico, você sempre tentou se manter confiante e animada. O que te ajudava a se manter otimista?
Com absoluta certeza ter a Duda na minha vida. Eu amo viver, acho que passaria por tudo de qualquer forma, mas ter a Duda me fazia não querer ficar mal. Eu não queria que ela tivesse a lembrança de uma “mãe doente” na infância dela. Por isso sempre fiz com ela como naquele filme “A Vida é Bela”. A coisa estava feia, mas pra ela era sempre uma brincadeira.

Qual foi a parte mais difícil de escrever do livro?
Escrever o livro foi como abrir a porta da sala da minha terapia. Falei de coisas e situações muito pessoais, as pessoas vão conhecer a Déborah, porque hoje elas conhecem a Debs. Mas acho que o mais complicado foi escrever sobre a minha relação com meu pai e as mágoas todas que vieram em decorrência dela.

Você adora correr e, durante o tratamento, teve que reduzir o ritmo. Como foi voltar aos treinos?
Foi diferente! Eu achei que ia voltar como antes, “a louca” da corrida. Mas comecei a enxergar a corrida de uma forma diferente. Não era mais aquela coisa neurótica de “corrida é minha vida”. Tornou-se parte da minha vida, mas não “a minha vida”. Hoje paro no meio do treino pra tirar foto do amanhecer, paro pra agradecer, se der pra fazer o treino todo deu… Senão, tranquilo também!

Debs e Duda (Foto Guto Estúdio)Debs com sua filha Duda <3 (Crédito: Guto Estúdio)

À primeira vista, pode até parece um livro de superação, mas a verdade é que a Debs procurou transformar uma história triste em uma jornada pessoal, unindo esporte, família, dilemas cotidianos e sentimentos. Quem a acompanha nas redes sociais conhece toda a sua força e, em especial, sua gratidão — um “mantra” que ela repete com muita frequência e inspira a todos nós! 🙂

Quem mais está super ansiosa para ler esse livro? 😉

capa_livro_num_piscar_de_olhos_deborah_aquino

Acostumada a enfrentar grandes maratonas, Déborah Aquino, a Debs, ficou “Num Piscar de Olhos” diante de um novo desafio em sua vida: a superação do câncer de mama. Apesar do medo e do sofrimento que o tratamento provoca, Debs encarou a doença como um presente e uma oportunidade de compreender e mudar sua vida. Por meio de sua história inspiradora, Debs nos mostra que, mesmo enfrentando as piores fases, os momentos difíceis podem revelar grandes acontecimentos, tais como força, criatividade e o despertar poderoso que cada um tem dentro de si; de como tudo isso pode mudar a vida para sempre e para melhor. Você vai se surpreender, rir e chorar.

ISBN: 978-85-8381-072-9
Páginas: 156
Editora: Gregory
Autora: Deborah Aquino
Preço sugerido: R$ 39,90
Compre online: Livraria Cultura

Alô, alô, pessoal. Hoje é meu aniversário, maarrr oeeeee!
Parabéns pra mim! \o/*\o/
Pois é minha gente, são três-ponto-seis!
Em outras palavras…estou mais perto dos 40 do que dos 30 (adorava curtir com a cara do marido, que tem 38)! 😱 😱  kkkkkkkkkkkkk

Erica-aniversário1

36 no corpo e na mente, nunca no espírito.

Contei um pouco no nosso Insta (segue lá -> @corremulherada) e neste post, o quanto sou tímida e fico toda sentimental no dia do meu aniversário. Também falei que tenho todo um ritual de oração-meditação-agradecimento-pensamento positivo ao acordar. Tudo o que mais quero é saúde, força, coragem e muita fé pra seguir em frente. 🙏☺ Sem querer fazer tipo, mas (de verdade) HOJE é tudo o que quero pra mim.

Claro que por causa desde post (estou escrevendo na quarta-feira à noite), tive que adiantar um pouquinho a meditação matinal. Mas aviso que estou totalmente sem roteiro (tive uma quarta beeem difícil e chorosa) e comecei a escrever sem sequer saber o que falaria. Vamos ver no que vai dar. hahah

senta-que-la-vem-historia

Senta que lá vem história!

Assim como todo final de ano, aniversários fazem a gente pensar um pouco, retroceder o último ano e por fim, fazer planos futuros.
Se tratando de corrida, a primeira imagem que veio na cabeça foi minha primeira prova de rua (que também foi minha primeira corrida oficial). Nunca-nunquinha-em tempo algum, imaginaria que estaria um dia correndo. Há 4 anos me imaginava formada, com minha produtora de moda (coisa que óbvio, desisti) e [finalmente/criando coragem] tendo filhos. No quesito ‘Atividade Física’, o máximo que imaginava era estar me matriculando em uma academia, afinal, a idade chega e ficar no sedentarismo não é nada legal para a saúde.
Hoje penso em correr uma Meia Maratona, me preparar para uma Maratona daqui uns anos e me aventurar pelas montanhas em ultramaratonas e nada de filhos. Olha que loucura!

Erica-Aniversário-2

WRun 2013 | Rolling Stone Music Run 2013 | Marvel Run 2015 | WRun 2015

Como Erica aka Japão chega aos 36?
Sendo uma eterna sonhadora! hahahahhaha #filosofiadebar
Falando sério, chego aos 36 muito mais confiante, determinada, querendo realmente cuidar da saúde mental&física, querendo ir além…

Sabe quem me motivou a isso? A corrida.
Não estou sendo falsa, ou puxando sardinha por causa do blog. Estou sendo muito sincera!
A corrida me ensinou muitas coisas, entre elas, que consigo ir além das minhas expectativas. Que não existem limites para o meu sonho, desde que exista meta, planejamento, disciplina, trabalho duro, humildade (item indispensável) e confiança. Que posso ultrapassar meus limites E que meus limites sou eu quem imponho.

erica-aniversario-3

E principalmente, ter fé em mim mesma! Quem me conhece a mais tempo sabe que sofri com transtornos de ansiedade, tive problemas sérios com autoimagem e que sou facilmente levada à autodepreciação e um sentimento de impotência gigantesco. E é aqui que entra a corrida. 😉
Mas engana-se quem achar que eu caio de amores pela corrida. tsc tsc 😳 
Já contei sobre minha relação de amor e ódio com ela. A diferença ou o grande motivo pelo qual ainda corro, é que reconheço o que a corrida fez/faz por mim.
Vou repetir o que disse lá em cima, mas agora a grosso modo: a corrida me obrigou a ter vergonha na cara. Kkkkkkkk

A corrida me obrigou:

  •  a fazer check-up – sim, eu era muito relapsa (isso que a pouco tempo antes, tive esteatose hepática grau 3 e fui pré diabética!) e não tinha pretensão nenhuma de ir em um cardiologista tão cedo rs. Pois é, por causa da corrida fiz trocentos exames e de quebra, ainda descobri que tenho uma intolerância alimentar. Ok…estou devendo um ortopedista, mas resolverei isso logo. 😬
  •  a escutar os sinais do corpo – hoje presto muuuuito mais atenção a eles, bem no estilo “antena ligada”.
  • a pesquisar os alimentos e tomar cuidado com alimentação. Quando que eu ia Googlar um alimento? Mas nem…Praticamente todo santo dia pesquiso sobre algo. hahahahah
  • a fazer meditação – os longões viraram meu tipo de corrida preferida por isso. <3
  • a (tentar) respirar direito – quando que ia tirar tempo do meu dia para praticar o Pranayama?
  • a querer levar pessoas queridas a esse estilo de vida saudável. Não é idiotice, AMO esse estilo de vida e quero todo mundo que gosto nele! <3

Agora você me pergunta se quero um dia deixar de correr? NEM A PAU!

erica-aniversario-4

Objetivo para os 36: ser a melhor versão de mim mesma

Sei que para alguém que escreveu um post sem saber onde ia parar, acabei me empolgando demais. Mas espero que você sinta o quanto abri meu coração sobre o quanto esse esporte foi tudo de bom que aconteceu na minha vida. Sou muito grata a ele! ❤ Foi através da corrida que me (re)descobri, conquistei amizades maravilhosas e fez com que eu valorizasse meus 36 (prefiro meu eu HOJE, do que aos 26 anos). Me sinto mais jovem, mais saudável, mais cabeça fria, mais feliz! ❤

Venha com tudo e venha lindo, 36!