Quem acompanha a Paola Carrijo nas redes sociais sabe que a assessora jurídica de Curitiba é uma corredora e tanto! “Comecei a correr há dez anos para participar de provas de atletismo nos Jogos Jurídicos. Iniciei na pracinha próxima da minha casa e logo virou uma paixão. Passei a correr nas ruas, no parque Barigui e, a partir daí, se iniciaram as inscrições em provas que até hoje estão presentes em quase todos os meus fins de semana”, lembra.

Com bastante experiência na corrida, quando quer quebrar a rotina, Paola troca as provas de rua por percursos em trilhas, areia e morros, além de viajar para correr em outras cidades. Delícia, né?! 🙂

Uma das provas de aventura que mais a marcou foi a etapa Ilha do Mel do Circuito Amazing Runs, no litoral paranaense. “Para mim, ter participado do Desafio da Butuca na AR Ilha do Mel foi incrível, porque, além de me desafiar com relação ao percurso em si, contava com dois dias seguidos de prova (14,5 km no sábado + 21 km no domingo), o que nunca tinha feito”, recorda.

Paola Carrijo na AR Ilha do Mel (Divulgação/Global Vita)

Se você também está pensando em sair da zona de conforto, as provas de aventura são uma boa pedida. Tudo é novo: o terreno, a paisagem, as percepções… Porém, é preciso se preparar para esse tipo de desafio, que requer treino e algumas adaptações. Para te ajudar nessa transição, conversamos com a Paola para pegar algumas dicas!

Se você fosse dar um conselho para as corredoras que querem trocar as provas de rua pelas de aventura, qual seria?

O esforço nesse tipo de corrida é bem diferente quando comparado ao asfalto. Meu maior conselho é ter um tênis apropriado para esse tipo de prova, pois dá uma maior segurança ao realizá-la.

Qual foi a maior dificuldade que você sentiu nessa transição do asfalto para a trilha?

Minha maior dificuldade é nos trechos de subida, morros e afins. Esse é meu ponto fraco e, quando o terreno é irregular, fica ainda mais difícil! Mas as provas de aventura ainda são novidade na minha vida de corredora, então estou no processo inicial de aprendizado.

Tem alguma coisa que você fez na sua primeira prova de aventura que você faria diferente hoje?

Teria investido mais em treinos diferentes, tanto com relação à altimetria, quanto com relação ao terreno em si. Apesar de já estar acostumada com distâncias mais longas, nas próximas provas pretendo inserir treinos em terrenos diferentes e também que me desafiem em subidas. 

Tem algum lugar próximo a Curitiba que você indica para os treinos de trilha?

Na última vez que fiz um treino diferente, foi na região de Campo Magro, nas estradas de chão. Para quem quer encarar subida, dá para ser mais corajoso e treinar um pouquinho na Graciosa.

Você participa de diversas provas ao longo de ano, poderia contar pra gente qual é a sua prova-alvo de 2017? E como você se recupera entre uma corrida e outra?

Meu foco de treino tem sido a Meia Maratona de Estocolmo, a qual participarei em setembro deste ano. (A prova acontece no dia 9/9). Tenho o costume de emendar uma prova na outra, confesso hahaha… Sigo a planilha de treinos que o Professor Gustavo Nogas da G5 Esportes me passa e, considerando outras experiências que tivemos, provavelmente a semana subsequente à Meia Maratona de Estocolmo será mais regenerativa e voltada à recuperação muscular. Alio também uma alimentação saudável e de qualidade, assim como suplementos que auxiliem nesse sentido, como a glutamina e BCAA. Investir em alongamentos e massagens esportivas ajuda bastante a soltar e aliviar a musculatura e prepará-la para o próximo desafio!

Tem um friozinho extra na barriga correr uma prova importante fora de casa? E o que não pode faltar na sua mala de viagem de corredora?

Sim!!! Será minha primeira prova de corrida internacional e estou super animada, ainda mais por ser numa cidade que não conheço! Na minha mala não podem faltar: meu tênis preferido e que tem me acompanhado em todas as provas (Adidas Adizero Adios), roupa apropriada, meias de compressão, meu relógio com GPS e minha viseira da sorte hahaha!

***

Gostaram das dicas? Estaremos aqui torcendo para a Paola arrasar na Meia de Estocolmo! 😀

E se você quiser se desafiar em uma prova de aventura, o Circuito Amazing Runs está com inscrições abertas para etapa de Garopaba (SC), que acontece nos dias 30 de setembro (sábado) e 1º de outubro (domingo).

Você pode escolher diferentes percursos (5,5 km / 10,5 km / 25 km / 41 km) ou participar de um dos desafios! No Desafio Baleia Franca, são 25 km no sábado e 10,5 km no domingo. Já no Ultra-Desafio da Baleia Franca, são 41 k no sábado e 10,5 k no domingo. Na prova, dependendo do percurso escolhido, você passa pelas belas paisagens do mar nos costões de pedra do litoral catarinense, incluindo as Dunas do Siriú, a icônica Pedra Branca, a Trilha do Cavaleiro, o Morro do Crespim e o Morro do Freitas. Demais, né? Informações e inscrições em www.amazingruns.com.br/garopaba-2017

Olá mulherada!

Vocês sabem que eu amo um desafio, e depois de maratona, desafio do Dunga, quero muito completar uma ultramaratona. Então fui atrás de ler muitos livros de ultramaratonistas. O primeiro que caiu na minha mão, ainda no ano passado foi o livro do Valmir Nunes. Valmir Nunes é um ultramaratonista brasileiro, especialista nos 100km, campeão de diversas provas famosas e que detém atualmente no Brasil e na América do Sul vários recordes de tempos em ultramaratonas.

No vídeo abaixo, você pode conhecer um pouco da história dele, de como é um exemplo e uma super inspiração. Se eu chegar aos 50 correndo um quarto do que ele corre já vou ficar feliz. 🙂

No livro ele conta como começou a correr em Santos, os desafios que enfrentou na carreira (e mesmo que a gente não seja atleta profissional, sabemos que não é nada fácil viver da corrida) e nos anos 90 não havia nenhum tipo de incentivo aos ultramaratonistas (a modalidade nem era reconhecida no país), e ele mostra que com muito talento, dedicação e força de vontade conseguiu se tornar campeão.

No livro ele também fala muito dos treinos que faz, e logo entendemos que não basta talento, tem que ser muito disciplinado. E tem muitas dicas para quem quer fazer uma ultramaratona (mesmo que seja menos de 100km, rs). Ele fala das suas conquistas, como foram as provas, as dificuldades… a história desenvolve super bem, leitura leve e gostosa, li o livro em um dia (alguém se empolgou, rs). E falando das conquistas… no vídeo abaixo ele fala sobre uma das principais: a Spartathlon, que ele venceu em 2001 (em 2003 ele ficou em segundo e em 2007 ficou em terceiro). Uma corrida de 246km entre as cidades gregas de Atenas e Esparta, que tem por objetivo traçar os passos de Fidípides, um mensageiro ateniense enviado a Esparta no ano 490 a.C. para buscar ajuda contra os persas na Batalha de Maratona.

É ou não é uma inspiração? Virei fã do Valmir, que eu não conhecia antes do livro. Recomendo muitíssimo a leitura de “Segredos de um ultramaratonista” para quem curte longas distâncias e se superar! 🙂

Avaliação:

Quando era moleque fiz uma promessa de correr de Santos a Maresias, sem nem conhecer ultradistâncias. Percebi que ser ultramaratonista é como qualquer profissão, no seu interior você nasce sabendo o que quer. Este livro é um incentivo àqueles que, como eu, perseguem um sonho. Nunca corri pensando nos problemas que enfrentei para estar ali, nem nas dificuldades passadas. O amor pela corrida, o sentimento que eu tenho por este esporte, me fizeram superar todas as dificuldades que tive durante minha carreira. Hoje percebo que eram muitas. Para mim, cada vitória era maravilhosa, mas estavam sempre no passado, pois sabia que tinha sempre que olhar para frente, para o próximo dia de treino, visando a próxima competição.

ISBN: 978-8528906134
Páginas: 200
Editora: Hemus
Autor: Valmir Nunes
Compre online: Amazon