running-date-trote-paquera

A gente vê com frequência nos grupos de corrida do Facebook (já entrou no nosso?) aquelas listinhas com “motivos para namorar um corredor” (ou corredora) e, vamos combinar, apesar de alguns serem meio sem noção (hahahaha…), outros fazem bastante sentido, especialmente se você também corre. Afinal, tem coisa melhor que poder compartilhar uma das suas paixões com aquela pessoa que faz seu coração bater mais rápido?! 😉

Eu tive sorte porque, logo que comecei a correr, meu marido (então namorado) também se interessou. Mas não é sempre que corremos lado a lado – ele é um tanto mais rápido e nem sempre posso forçar, ou ele está a fim de correr no meu pace, então respeitamos e alternamos conforme a vontade (e a planilha) do dia. Mesmo assim, é bom poder compartilhar esses momentos com ele ou mesmo ir para as provas/treinos e a gente se cruzar pelo caminho ou se encontrar na linha de chegada <3

A verdade é que treinar com alguém que você gosta pode ser muito prazeroso, mas nem sempre é fácil! Ainda mais se você não tem tanta intimidade com a pessoa… Então, imaginem meu susto quando descobri que existe uma nova modalidade de “paquera” na área, que os gringos chamam de running date. É isso mesmo: um encontro com seu paquera em que vocês vão… correr juntos!

Sei que sou uma pessoa casada e estou “fora do mercado” há algum tempo, mas me lembro muito bem como eram os primeiros encontros e toda a tensão envolvida… Hahahahaha… Aí não pude deixar de pensar se dá para paquerar enquanto corremos e cheguei a conclusão que sim, até dá – eu mesma tenho meus running dates com o maridão com certa frequência, né?

juvargas-beijo-estacoes2015primaveraRomance pós-prova 🙂

Se você acha que não é má ideia trocar aquela sessão de cinema no shopping lotado por uma horinha de corrida em um parque bacana, e/ou recebeu um convite para correr com aquela pessoa que você está de olho ou começando a conhecer melhor agora, respire fundo… e anote algumas dicas de uma corredora apaixonada para outra 😉

  1. Vá com calma. Pelo menos no começo, esses encontros serão muito mais um passeio que um treino. Por isso, é legal vocês combinarem de correr em um ritmo que seja confortável para ambos, em que ainda dê para os dois conversarem – não por acaso, a gente brinca aqui no CM que esse pace tranquilinho é o trote paquera.
  2. Não fique só no universo da corrida. A conversa pode ser sobre corrida, claro, mas não precisa se limitar a isso. Você pode compartilhar uma conquista bacana e até mesmo uma meta para o futuro, mas falar demais sobre recordes pessoais, provas e o último tênis incrível que você comprou pode soar cansativo e até mesmo arrogante. Aproveite o momento para descobrir outros interesses que vocês possam ter em comum.
  3. Um olho no peixe, quer dizer, na pista, e outro no gato. Eu sei que contato visual é importante na conquista, mas você não quer se estatelar no chão, muito menos se lesionar, certo? Economize na troca de olhares e fique atenta ao percurso. Se preferir, escolha um local em que você já esteja habituada a correr.
  4. Vista-se confortavelmente. Não é momento de testar aquela sainha nova ou arriscar algum peça que você sabe que fica saindo do lugar. Você tem que correr linda e despreocupada, não arrumando sua roupa o tempo todo. A não ser que usar aquele shorts que sobe um pouquinho ou correr só de top seja parte da sua estratégia 😉 hahahaha…
  5. Moderação na hora de se produzir. Use maquiagem apenas se você estiver acostumada a correr com os produtos e tiver a certeza de que eles não vão borrar. Quanto ao perfurme, é bom evitar fragrâncias marcantes porque o suor e o calor da pele fazem com que a essência evapore mais rápido e a combinação de cheiros pode ser desagradável. Inclusive…
  6. Você vai suar – e ele (ou ela) sabe disso. Aliás, ele/ela também vai suar. Faz parte. Então use um bom desodorante e aceite a realidade de cabeça erguida, rsrs… Por outro lado, se você ficar toda vermelha, pode jogar a culpa no exercício e não na timidez.
  7. Deixe a tecnologia em casa. A ideia é vocês passarem um tempo de qualidade juntos, fazendo o que gostam. Você não vai fazer isso ouvindo música ou checando seu ritmo no relógio a cada minuto, certo? Da mesma forma que você não gostaria de sair com alguém que não desgruda do celular, desconecte um pouco e esteja presente no momento, dando a devida atenção ao seu par.
  8. Cuidado ao se hidratar. Melhor parar para beber água se você não tem muita habilidade para fazer isso correndo. E nunca, jamais, cuspa a água (ou saliva, ou qualquer coisa do tipo). Mesmo que seja um hábito, não precisamos de tanta intimidade assim logo de cara. 😛
  9. Leve um “kit de emergência” no carro. Se você seguiu a primeira dica e correu numa boa, provavelmente não vai terminar o treino toda desmontada, mas não custa nada levar uma escova de cabelo, lenços umedecidos e até uma camiseta extra na bolsa. Vai quer rola uma esticada para tomar um suco ou comer um lanche depois?
  10. E o mais importante: se você se sente desconfortável com a situação, diga não. Não é porque você corre que você é obrigada a correr com os outros. Você pode dizer que está se preparando para uma prova importante e não pode furar a planilha, ou que tem que acordar muito cedo para treinar, ou simplesmente falar que não gosta de correr acompanhada e propor outro tipo de encontro. Um bom corredor com certeza entenderá – conforme a reação, você já aproveita para descobrir se vale a pena mesmo investir no romance.

E você, já teve um running date? Tem mais alguma dica para compartilhar com a gente? Conte nos comentários! 🙂

Há um tempo atrás eu fiz um post no Instagram do Corre Mulherada sobre temperos prontos e teve um comentário falando que tempero natural era coisa de quem tinha tempo sobrando. Ai gentemmmmm, fiquei tão ofendida, hahahha. Tô rindo, mas é sério. [pausa para #mimimi] Agora que sou desempregada, todo mundo pensa que passo o dia de rabicó pra cima. Mas vou contar uma coisa, eu sou dona de casa, limpo casa, cozinho, cuido das filhas, troco fralda, lavo roupa, passo…tempo é algo bem escasso por aqui. Principalmente porque tenho que fazer tudo enquanto Rebeca dorme ou nos 5 minutos que ela fica de buenas sentada brincando, sem chorar [despausa]

Como tempero é tudo nessa vida (e ainda ajuda a emagrecer) e praticidade também, eu vim contar um pouquinho de como fazemos aqui para facilitar o uso dos temperos naturais.

Alho, cebola e sal

PPF001-BR001-223314-1-m-Thinkstock_e_Getty_Images

Eu descasco rapidinho e pico. Já penso na quantidade que eu preciso para todos os pratos e faço tudo de uma vez. O sal uso bem pouquinho. Quanto mais tempero natural usamos, com o tempo nosso paladar vai se acostumando e a tendência é reduzir o uso do sal. Aqui em casa é do mesmo jeito, fomos reduzindo aos poucos e hoje em dia usamos pouquíssimo sal.

Açafrão da terra e pimentas branca e preta

IMG_0033

Até uns meses atrás, o açafrão ficava no meu porta-temperos que fica em cima da minha geladeira. Aí notei que estava sujando tudo ao tirar o pote de lá. Aí veio a ideia de colocar em um saleiro. Melhor ideia! Não suja mais nada e ficou muito mais prático de guardar.

As pimentas ficam misturas em um moedor de pimenta e pronto, rapidinho estão moídas e temperando lindamente minhas comidinhas.

Cebolinha e salsinha

IMG_0241

Como estragam muito rápido se deixar na geladeira, eu pico tudo e coloco em um pote no freezer. Não estraga e na hora de usar basta colocar a quantidade desejada na panela.

Observações:

Com exceção do açafrão da terra, todos os temperos relatados acima eu uso em todas as refeições.

Minha mãe já deu a dica de picar bastante cebola e conservar na geladeira ou congelar, mas quem manda na cozinha aqui é o maridôncio e ele não curte a cebola congelada (acha que perde o sabor), então picamos sempre que vamos usar.

E aí, acharam difícil? Alguém tem mais alguma dica para me dar?