A escoliose é um desvio da coluna vertebral para esquerda ou para direita, em que a coluna fica em um formato “S” ou “C”. Geralmente a escoliose aparece na pré-adolescência e agrava-se (leia-se a coluna fica mais torta) ao longo dos anos.

escolioseC

Descobri que tinha escoliose com 14 anos. Lembro que meu pai desconfiou que eu estava um pouco “torta” e me mandou fazer o teste conforme figura abaixo. O teste funciona da seguinte forma: a pessoa curva o quadril em 90º, se a coluna ficar como na figura da esquerda, não há escoliose. Se ficar como a da direita, existe a escoliose.

Teste de Adams

 Após alguns tratamentos sem sucesso e um aumento no grau da escoliose, em 2009 criei coragem para fazer a cirurgia. Confesso que não foi fácil, pois é uma intervenção cirúrgica de grande porte e o pós operatório é muito dolorido. Mas depois de 2 hastes e 20 pinos fixados na minha coluna, ver a minha cintura foi algo que valeu a pena todas as noites insones por causa da dor.

Aos longo dos meses de recuperação, o médico foi liberando aos poucos a atividade física. Seis meses após a cirurgia o médico liberou para fazer musculação e pediu para que eu não fizesse atividades com impacto. Perguntei se podia correr e ele vetou. Eu sempre tive a pretensão de correr, mas me faltava coragem e por coincidência fui malhar em uma academia que incentivava a corrida. Apesar do médico ter vetado, comecei a dar uns trotes leves na esteira, mas coisa leve mesmo (ainda me faltava coragem).

Voltei ao médico na consulta de rotina e falei que estava “correndo” e perguntei se podia. E ele com muito descaso: Ah, se você já está correndo…Opa! Vou me pegar nisso. Dois anos depois dessa consulta (calma, gente, teve uma gravidez no meio do caminho), resolvi criar coragem e começar a correr.

O meu maior medo sempre foram as dores, pois se eu sentisse dor era porque algo estava errado. Apesar de ter uma coluna cheia de pinos, a parte lombar continua livre e eu posso desenvolver um novo desvio nessa região (essa é a maior preocupação do meu médico). Então sempre prestei muita atenção para notar qualquer princípio de dor durante a corrida. Como eu estava há muito tempo parada, a dor realmente apareceu. Então, a primeira providência que tomei foi voltar para musculação para um fortalecimento muscular. E realmente funcionou, pois as dores simplesmente cessaram.

DSC03624

À esquerda: Antes da cirurgia. À direita: após a cirurgia

Vale ressaltar que cada caso é um caso e qualquer tipo de atividade física deve ser feita após autorização médica.

 

 

Cada corredora tem seu jeito de correr, e depois de ler muitos artigos sobre o assunto, o que descobri é que não há jeito certo ou errado, cada pessoa tem uma forma de correr, afinal ninguém é igual. Mas há alguns estudos que apontam que uma boa postura ajuda a evitar lesões e quem ai quer se lesionar? Ninguém, né? Então, bora aprender a correr com a postura certa.

Postura ideal na corrida

A melhor postura no movimento do trote ou da corrida:

  1. As costas permanecem eretas, alinhadas com o pescoço. E se o objetivo for ganhar velocidade você pode inclinar levemente o tronco para frente.
  2. O cotovelo deve formar um ângulo de 90º entre braço e antebraço, e o punho e os ombros devem estar relaxados. O movimento dos braços ajuda no equilíbrio e na coordenação das passadas de forma cadenciada. Pés e braços combinam-se de forma alternada: pé direito acompanha braço esquerdo e vice-versa. Mas tome cuidado para não cruzar os braços na frente do corpo.
  3. Cabeça erguida. O olhar deve se fixar à frente, mantendo o pescoço relaxado. Olhar pra baixo ou pros lados prejudica a coluna.
  4. O abdômen deve estar levemente contraído, para ajudar a endireitar a lombar. Mas não contraia demais, se não o movimento ficará prejudicado.
  5. Os joelhos devem ser dobrados cada vez que a perna é lançada para trás, assim você compensa a sobrecarga que a articulação sofre a cada contato com o chão.
  6. Os pés devem estar alinhados para frente em direção ao destino. Nunca pise com o pé inteiro, pois isto causa sobrecarga para os joelhos, tornozelos e a coluna. Quanto à pisada, o assunto é controverso e vem sendo discutido agora por conta dos tênis minimalistas, alguns dizem que a pisada deve iniciar pelo peito do pé e outros dizem que a pisada deve iniciar no calcanhar. Com essa dúvida, acredito que a melhor forma é você testar os dois tipos e ver qual é mais confortável para você.

Tente correr na postura certa, mas não torne isto um problema para a sua corrida, vá corrigindo aos poucos, sem atrapalhar seu rendimento no treino. É importante respeitar o padrão de movimento individual. 😀

A cadência também é importante, conte as pisadas que você dá ao longo de um minuto, normalmente são 180 passos em qualquer ritmo. Para ficar mais fácil contar, conte os passos de apenas uma das pernas, depois é só multiplicar por dois.

Espero que te ajude nos seus treinos e a evitar as terríveis lesões. 😉