rsmusicrun16-ju

No útlimo sábado, rolou mais uma edição da Rolling Stone Music & Run em São Paulo, prova organizada pela Yescom que combina três coisas que eu amo: corrida noturna, música e… open bar de cerveja! 😛

A largada foi separada em três grupos: primeiro o pessoal dos 5k, pouco depois quem faria a caminhada de 3k e, uma hora depois, os 10k. Como o percurso dos 10k eram duas voltas iguais pelo Minhocão, preferi correr só 5k. E olha, ainda bem que teve essa divisão! Se a prova dos 5k já estava cheia, imagine se todo mundo fosse largar junto! Hehehehe…

Tava tranquilinha a largada dos 5k, né? rs (Divulgação)

Tava tranquilinha a largada dos 5k, né? rs (Divulgação)

Como eu saí mais atrás, tive que ultrapassar bastante gente no primeiro quilômetro. Em provas curtas, não tem jeito: quem quer correr mesmo, precisa largar mais pra frente. Chegando no Minhocão deu uma dispersada, não só porque a pista era maior, mas porque parte dos corredores decidiu seguir pela contramão —  até a organização sinalizar que era hora de voltar para o lado certo da pista porque os primeiros colocados já estavam fazendo o retorno, né! 😉

A arena foi montada no Memorial da América Latina e oferecia vários painéis com capas clássicas da revista para tirar foto, além de uma área com food trucks e tendas de alguns patrocinadores. O palco para os shows estava enorme e conseguimos ter uma visão muito boa sem precisar ficar lá na frente, sabe? Gosto de ver show mais sossegada mesmo, então adorei!

A medalha também estava linda!

A medalha também estava linda!

Confesso que fiquei meio desanimada quando vi que teria esperar terminar a prova dos 10k para começar o show principal da noite (e open bar, rs) porque achei que ficaria entediada, mas a verdade é o que tempo passou rapidinho.

Encontrei amigos, tirei muitas fotos e me diverti com a banda que fez o show de abertura, a Warriors, que tocou vários clássicos do rock nacional e internacional.

Show do Jota Quest (Divulgação)

Show do Jota Quest (Divulgação)

O show do Jota Quest, como eu esperava, foi maravilhoso. Nunca tive um CD da banda na vida, não tenho as músicas deles no celular, então não posso me considerar uma fã, mas não é a primeira vez que vou a um show deles e tenho que tirar o chapéu: os caras são muito bons no palco! E incrivelmente a gente sabe to-das as músicas, hahahaha… Do show deste sábado, eu só não conhecia uma música do novo álbum, o resto cantei de cor e salteado. A presença de palco deles é algo impressionante, sem falar na qualidade do som. Foi incrível!

O open bar também foi outro ponto que me surpreendeu muito. Imaginei que seria aquele desespero para pegar cerveja — e na primeira rodada foi mesmo, porque todo mundo estava na maior expectativa para dar 21h30 e o bar ser liberado, rs. Mas depois foi super tranquilo fazer o “refil” e mesmo quando o show já tinha acabado, com o evento quase encerrando, ainda tinha cerveja para quem quisesse beber — e gelada! Mais um ponto para a organização.

Foi a primeira vez que participei e amei a experiência. Com certeza, quero repetir no próximo ano! 😀

E você, correu essa prova? Conte o que achou nos comentários!

academia-catabalismo-muscular-treino

Quem aqui já tentou “compensar” um período sem ir na academia ou de muito estresse treinando pesado e sem intervalos? Some isso a uma rotina intensa, com alimentação inadequada e noites mal dormidas… Opa, pode parar! Ao invés de beneficiar seu corpo, essa combinação pode ter efeito contrário e ocasionar um processo de desgaste das células e de perda de massa muscular, chamado catabolismo muscular.

Quando o corpo entra no processo de catabolismo muscular, ele usa as fibras musculares para obter energia – por isso, você perde massa magra e não gordura! Se você está emagrecendo, mas seu porcentual de gordura não diminui, fique atenta porque essa pode ser a causa.

Mas como resolver o problema? Segundo a equipe da Academia Bio Ritmo, um dos principais motivos para o catabolismo muscular é alimentação desbalanceada. Quando não repomos os nutrientes que o corpo perdeu durante o treino, o organismo acaba utilizando suas próprias reservas e tecidos na tentativa de repor o que foi gasto.

O ideal é conversar com um nutricionista ou nutrólogo para que você seja orientada sobre as melhores opções de alimentação antes e depois dos treinos, de acordo com a sua rotina e as suas necessidades energéticas. De modo geral, valem aquelas dicas que são nossas velhas conhecidas: não fique muito tempo sem comer, evitando treinar em jejum. Carboidratos, em especial os de baixo índice glicêmico, ajudam a sustentar o corpo durante os exercícios físicos e garantem mais energia. Inclua também proteínas, verduras e frutas no cardápio, com destaque para as ricas em vitamina C. Evite bebidas alcoólicas. E, claro, beba muita água!

Dependendo da duração das sessões (se excederem uma hora, por exemplo) e da intensidade, talvez você também tenha que ingerir algum alimento ou suplemento durante os exercícios. Sim, na academia! Da mesma forma que usamos um gel de carboidrato naquele longão de fim de semana, sabe? Mas tenha em mente que nem sempre um treino longo de musculação é o mais eficaz. Conte com o auxílio de um profissional de educação física para preparar uma rotina de treinamento adequada para você. 😉

Estresse e falta de sono são outros fatores que podem desencadear o catabolismo muscular. Como sempre falamos aqui, o descanso também é parte dos treinos – e um descanso com qualidade, para que você se sinta renovada e com as energias recarregadas. Cumpra os “day offs” da sua planilha, conforme as orientações do seu treinador.

Faça intervalos entre os treinos e respeite seus limites físicos. E, em caso de dúvidas, sempre procure um especialista.

Bons treinos, mulherada!

post_parceiros_BR_2015