Você já participou de uma corrida rústica? No post hoje, a Cláudia Renata conta pra gente como foi correr a sua primeira prova nesse estilo na Guaranis Race, que aconteceu no dia 3 de junho no litoral norte de São Paulo. 

***

Oi oi, meu nome é Cláudia, tenho 39 anos e acompanho o Corre Mulherada desde 2014, quando comecei a tentar correr no puerpério. Em 2015, participei do treino de aniversário do blog e fui picada pelo bichinho da corrida! Resolvi escrever sobre a prova que participei dia 03 de Junho, a Corrida Guarani. 

Geralmente, participo de corridas de rua em São Paulo e corro nas ruas do meu bairro com minha assessoria. Minhas únicas experiências fora das ruas foram algumas corridas em praias (fiz um trecho no Revezamento Maresias Bertioga em 2016) e o Treino de Montanha do Blog, no ano passado também. Quando meu treinador sugeriu que nos inscrevêssemos para uma corrida “rústica”, pensei que correríamos somente em estradas de terra. Só pensei mesmo…

A corrida Guarani é realizada dentro da reserva indígena dos Índios Guaranis, no litoral norte de São Paulo, em Boracéia. São quatro tipos de prova: a Kids, com percurso de 500 m; caminhada e corrida de 5 km; e a corrida de 13 km. Parte do valor da inscrição é repassada diretamente à Aldeia. No kit da prova, recebemos uma camiseta, o chip (para prender no pulso esquerdo), um colar feito pela tribo, um squeeze e uma tatuagem removível com o logo da prova. A organização também pediu para que levássemos doações de alimentos para a aldeia.

Ao chegar ao local da prova, havia uma exposição e venda de artesanato e comidas indígenas. Os índios também estavam fazendo pinturas nos corredores. Antes da largada dos 5 km, o cacique da tribo e os índios entoaram um canto e fizeram uma dança para nos recepcionar. Fomos convidados a participar da roda e dançamos todos de mãos dadas! Foi bem bacana! 

Quando cheguei na largada dos 5 km, descobri que fui inscrita por engano nos 13 km. Neste momento, fui informada que estava desclassificada, mas que poderia correr e receber a medalha se quisesse. Fiquei chateada, mas só poderia pegar meu número de peito depois. O objetivo era não interferir na cronometragem e no controle da prova.

O início do percurso foi tranquilo, em uma estrada de terra batida com algumas poças, pois havia chovido há 2 dias. Corremos cerca de 2 km e eu estava achando a prova bem “fácil e plana”. Passamos por algumas ocas e casas dos índios, atravessamos um rio por ponte e entramos em uma trilha bem estreita. Aí começou mesmo! Uma trilha no meio da mata bem fechada, com alguns sobe-e-desce, mas bem sinalizada e com alguns índios posicionados para não nos perdemos.

Bem no começo, havia uma descidinha para atravessar um córrego – impossível não molhar o pé. Morri de medo de cair! Travei e deixei vários corredores passarem na minha frente antes de consegui ir. Dali em diante, a trilha era mais aberta e corri praticamente sozinha. Uma delícia! Nem lembrei de ligar música, o dia estava ensolarado e, realmente, o visual era incrível! Fui até mais devagar para curtir o momento.

Logo mais, passamos por mais córregos e entendi o porquê do chip no pulso: como você realmente atola o pé na lama, corre o risco de perder ou danificar o chip (e o tênis também!). Continuei o trajeto e deu aquela vontade de ter tentado os 13 km (era outra trilha diferente, com um rio para atravessar), só para curtir o lugar mesmo.

A medalha da prova e os tênis que ganhei no sorteio do treino de montanha do blog!

A organização da prova não disponibilizou pontos de hidratação, até para não deixarmos lixo na mata, então cada um levou água/líquido como pode. Eu fui com cinto de hidratação.  Depois de cerca de 20 minutos, voltei à estrada de terra e pude correr num ritmo habitual! Na chegada, recebi minha medalha sem problemas e poderia pegar de volta meu número de peito. Também ganhamos banana, maçã e alguns biscoitos. Comprei algumas peças de artesanato e fiquei com meu grupo esperando os corredores dos 13 km. 

Neste momento, a ambulância da organização tinha ido atender um atleta que desmaiou dentro do percurso de 13 km, no km 5 da corrida. Enquanto o resgate não chegou, os corredores que o encontraram fizeram os cuidados iniciais, mas, infelizmente, o atleta faleceu. Os meus colegas chegaram bem tristes com o ocorrido. 🙁 (Veja o comunicado oficial da organização.)

Apesar do evento trágico que aconteceu durante a corrida, achei incrível correr nas trilhas da Mata Atlântica e, ao mesmo tempo, ajudar os indígenas. Espero participar de outras corridas rústicas! 

A Corrida da Leitora é um espaço para compartilhar histórias, conquistas, superações, dicas e muito mais! Quer participar? Preencha o formulário e entraremos em contato.

Eu pensei bastante antes de falar sobre isso aqui porque é um tema controverso… Mas concluí que era importante compartilhar com vocês a minha experiência pessoal, afinal, é para isso que temos um blog, não? 😉 Apenas gostaria de ressaltar que esse relato é baseado totalmente na minha experiência pessoal. Não sou médica, nem tenho formação alguma na área da saúde, então recomendo que vocês se consultem com um profissional de confiança antes de tomar qualquer decisão. Afinal, cada caso é um caso, cada corpo reage de uma forma, e o que pode ter acontecido comigo pode não acontecer com outra pessoa. 

Ao todo, foram 13 anos (quase 14) tomando pílula sem parar. Comecei aos 17 porque tinha acne e um fluxo muito irregular. A recomendação dos médicos (gineco e dermato) foi a mesma: tomar anticoncepcional oral (AC para os íntimos).

No começo, foi uma adaptação bem difícil; nos três primeiros meses, fiquei incrivelmente sensível, chorava por qualquer coisa e me sentia muito triste sem motivo aparente. Foram 90 dias dessa “TPM”, um período em que me senti bastante diferente (pra pior) do meu normal. Era a adaptação, me explicaram, iria passar. De fato, passou e eu fui levando…

Anos depois, comecei a me queixar de outros desconfortos. Estava ganhando peso e me sentindo inchada. Lembro o médico dizendo que o AC não tinha nada a ver com isso, eu é que precisava mudar meus hábitos. De qualquer forma, ele trocou minha pílula para uma mais “moderna”, com menos hormônios e mais barata também, e me indicou um endócrino que me passou uma dietinha bem sem vergonha. Fui para uma nutri e comecei a frequentar a academia. Melhorou. Um ano depois, com dores de cabeça e a acne querendo voltar, troquei de ginecologista — e de AC! — mais uma vez. E fiquei nessa última pílula por mais uns três ou quatro anos…

O que quero dizer é que, mesmo passando por diversos médicos ao longo de mais de uma década, nunca me sugeriram parar com a pílula, sequer me falaram sobre outros métodos. Apenas trocavam a marca e bola pra frente. Até que chegou num ponto em que achei que estava bem adaptada. Na minha cabeça, eu só pararia por um motivo: para engravidar. E voltaria a tomar assim que o médico me liberasse!

Eu nem imaginava como seria a minha vida sem o AC!

Então, no ano passado, quando comecei a treinar com mais intensidade e a ter um acompanhamento médico constante com a equipe multidisciplinar da Integrata Saúde, percebi que estava com muita dificuldade de ganhar massa magra – mesmo treinando certinho, suplementando, inclusive emagrecendo… Para minha surpresa, o AC foi apontado como o “culpado” mais provavél. Mesmo assim, não estava convencida. Eu não queria ter acne de novo, não queria ter um fluxo irregular — e não queria engravidar também.

O que me convenceu mesmo a parar foi quando fiz um exame de sangue imenso de todos os hormônios possíveis e muitos deles estavam completamente fora da curva considerada normal. Mas assim, totalmente, não era nem no limite, era uma coisa absurda de tão acima ou abaixo daquelas indicações que vêm como referência, sabe? Por mais que fossem taxas esperadas para quem toma AC, isso me fez pensar em quanto meu corpo estava diferente do normal para a minha idade por conta da pílula… Tanto que resolvi parar imediatamente.

Agora completei seis meses sem usar nenhum método contraceptivo hormonal. Já haviam me alertado que levaria um tempo para o meu corpo se readaptar e, sinceramente, só lá pro quarto mês comecei a sentir meu corpo voltando ao normal. Antes, ele estava funcionando como um reloginho, como se eu ainda estivesse tomando a pílula. Em março, algumas espinhas apareceram e foi a primeira vez que tive um ciclo mais longo, como era antes de eu começar a usar o AC.

A acne voltou? Sim. No rosto e nas costas, o que é bem chato. Mas está bem mais controlada do que quando eu era adolescente (também fui na dermato e estou usando algumas fórmulas para contornar isso). E saber exatamente quando minha menstruação iria começar e terminar era super cômodo, não vou mentir. Por outro lado, já recuperei um pouco da massa magra (mesmo treinando bem menos do que treinava no ano passado) e quero ver se sinto outras mudanças como o aumento da minha energia, tanto física como mental, antes de dar meu veredito final. Mas, resumindo, acredito que sim, a pílula pode atrapalhar a performance nos treinos e a evolução na corrida.

Nos últimos tempos, a gente tem visto cada vez mais matérias na mídia falando sobre aspectos negativos do uso de anticoncepcionais. Além de casos graves de trombose e de AVC, que foram até capa de revista semanal, já há pesquisas associando o uso de AC na adolescência com depressão e outras questões de saúde mental, variações na libido e queda no bem-estar das mulheres de modo geral – coisas que antes eram negligenciadas porque eram consideradas efeitos colaterais “menores”.

Entendo que os tempos eram outros e, de verdade, não acho que nenhum médico que me indicou o AC nesses anos todos o fez porque era inescrupuloso, negligente ou porque “vendeu a alma” para a indústria farmacêutica. Acho que faltava informação. Hoje, finalmente (!!!), estudos mais completos estão sendo feitos sobre o tema e espero que isso leve a uma melhora dos anticoncepcionais como um todo, inclusive com a criação de um anticoncepcional masculino (convenhamos, já demorou, né?!).

Informação nunca é demais e, quanto mais informação tivermos, melhores serão as nossas escolhas. Na verdade, só há escolha de fato se houver informação antes. Por isso, pesquisem, perguntem, mudem de médico quantas vezes forem necessárias, mas não minimizem esses desconfortos porque, não, não é você que é preguiçosa, louca ou está de “mimimi”. Eu, por exemplo, optei por parar por um período (pretendo ficar pelo menos um ano sem hormônios) para descobrir como meu corpo responde. Se possível, vá acompanhando com um médico, fazendo exames de tempos em tempos para ver as alterações e ir comparando.

Mais para frente eu volto para contar como está sendo, ok? 😉

Ah, e para quem quer saber sobre outros métodos anticoncepcionais além da nossa velha conhecida camisinha (que é excelente, pois também previne uma série de DSTs), a indicação que recebi foi colocar DIU – mas optei por não colocar porque tenho planos de engravidar mais pra frente. Ah, e DIU não é apenas para mulheres que já tiveram filhos; mesmo quem nunca engravidou pode colocar – inclusive, dá para colocar o DIU TCu 380 (DIU de cobre) gratuitamente pelo SUS. Converse com seu médico e veja o que ele indica para você!

E vocês, têm alguma experiência para compartilhar? Vamos continuar essa papo nos comentários do post!